sábado, 31 de outubro de 2015

Participe do sorteio de produtos odontológicos sustentáveis e não testados em animais!


Meu dentista é sustentável e conhece o blog!

Foi assim, eu precisava de um bom dentista na Tijuca. O meu antigo era no Flamengo, onde morei e eu acabava não indo de preguiça. Há muitos anos, eu passava pela porta do consultório do Dr. Veit, em plena Melo Matos (atrás do metrô da Afonso Pena), via que era um grande consultório, sabia que era famoso, já tinha até ouvido o programa dele no rádio e comprado suas escovas dentais plásticas não testadas em animais de sua linha licenciada, mas nunca havia entrado na clínica.
Um dia, liguei e marquei uma consulta, já que todos no bairro falaram bem do serviço. Fui atendida pelo próprio Dr.Veit em pessoa, que faz a triagem de todos os pacientes pessoalmente. Olhou para a minha ficha, para a minha cara atrás da mesa e pela primeira vez ouvi a frase "Carolina Daemon Oliveira Pereira, você trabalha com sustentabilidade?"

O famoso Dr.Veit conhecia o blog, reconheceu pelo meu nome... Incrível, ainda por cima é interessadíssimo em sustentabilidade, em toda a clínica é possível encontrar lixeiras de coleta seletiva e mensagens de economia de água ao escovar os dentes.Conforme ele foi falando, eu lembrei que já havia divulgado o trabalho dele aqui mesmo no blog. Por outra dessas coincidências da vida, no dia em que escrevi a postagem sobre o Guia Slow e Orgânico da Tijuca (onde moro e está estabelecida a clínica dele), foi lançada a primeira escova de dentes biodegradável 100% brasileira, produzida pelo Dr.Veit, é claro. Adorei a coincidência dessa escova ser tijucana e encerrei a postagem (imensa e sempre em atualização) justamente com a notícia.
Em todos esses anos, procurei pela escova biodegradável nas farmácias e nunca encontrei, então levava a versão plástica deles, que pelo menos não é testada em animais.Segundo o próprio Dr.Veit, o mercado ainda é resistente à venda desses produtos, mas que os mesmos podem ser comprados em sua clínica. E emendamos um assunto ainda mais interessante, o Natal Azul do Dr.Veit, um evento anual que ele organiza para atender à 2.500 crianças carentes das comunidades próximas, que eu ainda não conhecia.Uma das coisas que chamou a minha atenção quando liguei para marcar a consulta, era que o valor da primeira avaliação poderia ser substituído por um brinquedo desde que novo e lacrado, achei a iniciativa muito bonita, mas imaginei tratar-se de distribuição convencional.
Há 15 anos, a clínica do Dr.Veit organiza o Natal Azul, um evento com viés sustentável onde esses brinquedos são distribuídos às crianças e o Papai Noel veste uma roupa azul e as brincadeiras são voltadas para o conservacionismo ambiental com muitas mensagens de reuso de água e reciclagem do lixo.

Conversa tão boa, que acabei ganhando um monte de produtos e, como não vou ter como usar tanta coisa, tive a ideia de criar esse sorteio.


Escreva seu nome completo e participe do sorteio de produtos odontológicos sustentáveis!
Cada pessoa que deixar seu nome, terá direito a um número.
Os sorteados poderão escolher o que quiserem receber de acordo com a ordem do sorteio.
Importante: os nomes deverão ser obrigatoriamente informados na página do evento no Facebook: Sorteio de produtos odontológicos sustentáveis para não haver risco de duplicidade e com isso, fraude.
Perfis suspeitos de hoax no Face não serão computados.

Lista completa dos produtos a serem sorteados:

5 escovas da linha BIO, a primeira escova de dentes brasileira 100% biodegradável em embalagem de papel reciclado. Cores disponíveis: azul oceano (01), laranja lima (02), verde limão (01) e rosa ipê (01).

3 limpadores interdentais com 5 unidades cada em plástico não biodegradável, nas cores: rosa (01 de 0,5mm), laranja (01 de 0,6mm) e azul (01 de 0,8mm).

1 limpador de língua plastico não biodegradável na cor verde água-azul piscina

5 escovas de dentes em plástico não biodegradável em embalagem plástica convencional no modelos e cores:
02 modelos Extra Macia Cerdas Uniformes de 0,15mm nas cores: rosa claro e verde claro da linha Dr.Veit Deep Gum
01 modelo Extra Macia Extra Macia Cerdas Uniformes de 0,15mm na cor roxa da linha Dr.Veit Extra Soft
01 modelo Macia Cerdas diferenciadas de 0,18mm na cor rosa claro da linha Dr.Veit Soft
01 modelo Macia Bi-Componente Cerdas Angulares reversas de 0,18mm da linha Dr.Veit Dreams


Link do evento no Facebook para participar do sorteio: Sorteio de produtos odontológicos sustentáveis

Site oficial da Clínica do Dr.Veit aqui na Tijuca: http://www.drveit.com.br/
Site oficial da linha de produtos odontológicos Dr.Veit, onde você pode mais informação sobre os produtos sorteados e demais: http://www.drveitprodutos.com/
Divisão de sustentabilidade da empresa: http://www.drveitprodutos.com/sustentabilidade.php
Repare que todos os produtos licenciados trazem uma gota alertando contra o desperdício de água.
Site do programa Salve o Planeta Azul chancelado por eles, onde você pode baixar gratuitamente a faixa gravada pelo Cidade Negra: http://salveoplanetaazul.com.br/


Minha escova BIO preto noite no banheiro daqui de casa (destampado para a foto). E escove os dentes com a torneira fechada, a economia de água pode chegar a 11 litros por escovação.


sábado, 24 de outubro de 2015

Desodorantes veganos sem alumínio





Três coisas antes de tudo: 
1. Cosméticos precisam ser seguros para você e no mínimo não testados em animais;
2. Cosméticos sintéticos não testados em animais podem ser tóxicos e cancerígenos, uma coisa não impede a outra;
3. Embalagens precisam ser recicladas.


Há alguns anos, eu venho empreendendo a busca pelo desodorante seguro. Quase todos os antitranspirantes industriais são ricos em alumínio, o que os torna cancerígenos e já existem evidências de que o acúmulo desse metal no organismo leva também ao Alzheimer.

Alumínio é tóxico, como todo metal pesado, e não presta nem para panela. Leia melhor numa das postagens mais antigas daqui Panela velha é que faz comida boa.


Então, eu comecei usando "Leite de Rosas", que não testa em animais e pareceu a alternativa mais segura. O cheiro me enjoava e eu senti que não segurava muito a onda em dias de verão carioca.
fórmula do "Leite de Rosas" também me deixava meio cabreira: etanol, óxido de zinco, cloreto de benzalcônio e digluconato de clorexidina, além de água e essência é claro.


Troquei pelo "Leite de Colônia" e senti que estava trocando seis por meia dúzia, pois além de alcoólico, ainda é rico em óleo mineral (derivado de petróleo). E, como o Leite de Rosas, não aguentava o tranco.



Pensei em migrar para os sintéticos industriais de marcas que não testam, como a NíveaGranado e O Boticário, mas a presença do alumínio me assustava. Para mulheres essas questões são ainda mais delicadas, pois as axilas são próximas das mamas e o uso desses desodorantes já são considerados fatores de risco para o câncer de mama. Líquidos não biodegradáveis tampouco são seguros ao meio ambiente, quando a gente toma banho, escorre pelo ralo e acaba nos rios do entorno, é ingerido pelo peixes, o rio deságua no mar

A formulação básica desses desodorantes em roll on geralmente obedece ao padrão: Cetearet-20, estearet-2, éter dicaprílico, dimeticona, BHT, propilparabeno, triclosano, alantoína, metilparabeno, EDTA dissódico, ureia, cloridrato de alumínio, ciclometicona, água.

A formulação básica de desodorantes industrializados em forma líquida (squeeze ou aerozol): 
Butane, Propane, Cyclomethicone, , Aluminum Chlorohydrate, Quaternium-18 Hectorite, Dimethicone, Dimethiconol, Cyclopentasiloxane, Triclosan, Parfum, Cinnamal, Citronellol, Eugenol, Linalool.




Em momentos de indulgência financeira, comprei das marcas naturalistas que não testam, como a WeledaLush e AlvaKosmeticts. São produtos orgânicos e não testados em animais dos produtores mais sérios do mundo. Mas, além de caríssimos, traziam como rebote pouca eficácia. Eu precisava lavar as axilas (com sabonete trazido de casa) e reaplicar (o desodorante igualmente trazido) no meio do dia. Quem trabalha o dia todo sabe, tirar a blusa e lavar o sovaco num banheiro público não é exatamente algo simples. E é sempre mais uma tralha para carregar na bolsa geralmente entupida.
As formulações básicas normalmente são em álcool, água, óleo essencial, glicerina, bicarbonato de sódio, vinagre (ácido acético) e alguma fragrância. Algumas marcas vendem versões em barra, com alguma manteiga natural, como cacau por exemplo, mas o que segura o odor são os componentes ácidos ou em sal, como óleos cítricos e bicarbonato.



Como eu sigo todo o pessoal da Permacultura, comecei a desenvolver em casa as opções caseiras em óleo de coco com óleos essenciais e até o PasBas, que já havia deixado a desejar como xampu e pasta de dentes. Particularmente, nenhuma opção caseira pareceu simples e eficaz por milhares de razões, além da ineficiência no que se propõe, falta de praticidade na aplicação e até escorrer e manchar roupas, principalmente camisas brancas.
As receitas caseiras geralmente são parecidas com as formulações das empresas orgânicas que não testam, apenas um pouco mais rudimentares. E encontra-se muita lenda urbana, 
Lembro inclusive da época em que a recomendação para os naturebas ativistas era pingar limão na axila, uma temeridade passível de queimadura de primeiro grau, dada a acidez e presença da vitamina C, ácido ascórbico
Mais uma vez, olho vivo, tem muito curioso na internet.


Em toda internet, é possível encontrar blogs e relatos de pessoas que sanaram o problema, usando alguns dos componentes acima de forma isolada, como apenas bicarbonato, ou vinagre ou argila ou água oxigenada ou PasBas, etc. Eu encaro como lenda urbana. Se nem os químicos da Lush e a Weleda conseguiram o desodorante natural perfeito a partir da combinação dos princípios ativos puros de todos esses compostos, isolando um deles na forma diluída comercial é que não se chega ao resultado. Eu testei e me dei mal - ainda existe o risco de queimadura em caso de exposição ao sol e calor, lembre que componentes ácidos, como vinagre (ácido acético) e cítricos (ácido ascórbico) são fotossensíveis.


Algumas mulheres sobreviventes de câncer de mama e que batalham por cosméticos seguros sem alumínio, divulgavam a Crystal Ball, uma bola translúcida supostamente sem alumínio, produzida por marcas que não testam, dizem inclusive que uma única dessas bolas-barras pode durar dois anos. O portal vegano Vista-se chegou a vender, mas está esgotado há muito tempo e o produto não é exatamente barato. Então, nunca cheguei a tentar.
Em tempo, a composição da Crystal Ball é justamente sulfato de amônia em base de alumínio, o ammonium alum (ou alume de amônia em português).




Eu estava dividida entre a toxidade e minhas finanças, quando uma blogueira amiga, Syl Ribeiro, divulgou que adotou "Leite de Magnésia" como desodorante e estava felicíssima, que funcionava divinamente, era atóxico, não testado e o que todos amamos, um produto que você pode ingerir!
Uma verdade muito amada por aqui há muitos anos é que o melhor cosmético para a pele é o que você pode colocar na boca. Se a pele é uma esponja e o maior órgão do corpo humano, não faz sentido usar produtos tóxicos e achar que o organismo não está absorvendo. Uma postagem muito antiga, A polêmica dos cosméticos "verdes" e um par de dicas da vovó, traz todas essas questões e explica porque nem todo cosmético certificado como orgânico é assim tão inocente. 

Venho usando o Leite de Magnésia há alguns meses e realmente funciona, não mancha roupas, não cheira e aguenta o dia todo, mesmo no verão vestindo tecidos sintéticos. E quando começa a acabar, fica mais grosso e eu diluo em pouca água. O rendimento é excelente, o custo é realmente baixo e a embalagem pode ser reciclada ou reaproveitada. 
Já testei a versão mentolada também e gostei ainda mais, parecia que meu suvaco tinha chupado um Halls!


Pesquisei pelo Leite de Magnésia na internet e deparei-me com um mundo de utilidades, de primer à clareador dentário, aparentemente o que não faltam são aplicações.



Mas o que é o Leite de Magnésia, criado inicialmente como laxativo e antiácido suave? 
A mistura de hidróxido de magnésia com água: Mg(OH)H2O. 

Uma fórmula tão rudimentar quanto a da água oxigenada H2O2 (uma molécula a mais de oxigênio do que a água, H2O) ou do sal de cozinha, cloreto de sódio, NaCl.

O magnésio não é um metal pesado. Para os que não lembram da tabela periódica nas aulas de química do colégio, o magnésio é um metal leve da família dos alcalinos terrosos. É inflamável quando em forma pulverizada, mas seguro para consumo humano desde que parcimoniosamente, o que é o caso. 

Na verdade, aplicar Leite de Magnésia na pele é um hábito saudável, já que nos ajuda a evitar tantas visitas ao Ortomolecular para complementação auxiliar, afinal a pele vai estar absorvendo o elemento. Os ossos humanos são compostos basicamente de magnésio, cálcio e fósforo, já que o elemento é responsável pela reação de quebra da conversão da vitamina D.
O magnésio é o segundo elemento mineral mais importante do corpo humano, atrás apenas do potássio e é responsável por todo funcionamento muscular, de contração ao relaxamento, produção de proteínas, transporte e metabolismo de enzimas e até a diminuição de radicais livres e melhora do funcionamento cardíaco, aparecendo em mais de 300 reações metabólicas do organismo.


O Leite de Magnésia é um produto que pode ser ingerido por pessoas, o que o torna biodegradável e seguro para consumo humano. Vem numa embalagem simples. Basta passar uma aguinha e levar na reciclagem. Vira outro frasco facilmente.
Só observe que o fabricante testa seus produtos, a Phillips. Existem outras marcas, mas são difíceis de encontrar. A questão é que o Leite de Magnésia não é nem um medicamento, como a água oxigenada foi um dos primeiros compostos produzidos em laboratório. A Phillips deve ter tido um direito junto à patente no início do século XX, como outras empresas também produzem água oxigenada por exemplo e ninguém testa nada disso justamente pela simplicidade e biodegradabilidade da própria fórmula de composição. Porque nem se enquadra como medicamento segundo a legislação. 
Leite de Magnésia começou a ser produzido e comercializado antes da indústria farmacêutica e dos testes em animais respectivamente. E tradicionalmente, pela sua simplicidade, vem numa embalagem simples, não metálica, livre de aerosol e 100% reciclável.



Por que o Leite de Rosas, Leite de Colônia e Leite de Magnésia, apesar de serem produtos tão diferentes entre si, são todos chamados de leite, quando nem trazem nada de lácteo?
Porque são líquidos brancos, só isso. E foram todos criados numa época em que nem haviam tantas designações para tantos produtos, a indústria química e farmacêutica apenas engatinhava.

Se pesquisar por essas múltiplas funções do Leite de Magnésia, use seu bom senso, já vi receitas de desodorantes caseiros que desvirtuavam tudo, pois ainda juntavam Leite de Rosas, água destilada, álcool de cereais, perfume sintético a escolher e mais um mundo de ingredientes. A ideia aqui é você aplicar na pele o que pode colocar na boca, vai sair mais barato inclusive. 
Sempre: tem muito curioso na internet.



Para fazer seu desodorante de Leite de Magnésia em roll on, a dica da nutricionista responsável pela visita do Papa ao Brasil: Dra. Gisela Savioli: desodorante roll on caseiro em leite de magnésia

Para comprar cosméticos que não testam em animais: PEA: Empresas que não realizam testes em animais

Para partir para a aventura de fazer desodorante em casa com fórmulas similares às empresas naturalistas: Realfarmacy: How to make non toxic long lasting organic deodorant

As questões sobre o alumínio:
Dr. Mercola: Aluminum lurks in crystal deodorants
INCA: Utilização de antitranspirantes e o câncer de mama
Realfarmacy: New Study: Alzheimer’s & Aluminum Link Can No Longer Be Ignored
Dr. Sandro Hoici: Entenda melhor a polêmica sobre a relação entre Antitranspirantes e o Câncer de Mama
Saúdeglobal: A insustentável leveza do alumínio: impactos socioambientais da inserção do Brasil no mercado mundial de alumínio primário









Mais informação aqui no blog:
Fazendo baton em casa
Panela velha é que faz comida boa
Como funcionam testes em animais
Como funciona a indústria de cosméticos

Incensos e aromatizadores de ambiente: o mundo é o que você cheira
A polêmica dos cosméticos verdes e um par de dicas do tempo da vovó
06 produtos perigosos e 09 de origem animal que usamos diariamente sem saber




Foto acima no banheiro daqui de casa com meus xampus sólidos de fabricação caseira e a primeira imagem da postagem é um antigo anúncio de vinculação pública.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

O hostel em contêiner do Maracanã

Em frente ao estádio do Maracanã, há um lindo e imenso hostel com grande parte das acomodações em contêiner. Eu vi esses contêineres serem dispostos em guindaste, sempre passei por lá, mas como nunca havia entrado para fotografar, fiquei sem ter muito ânimo para escrever.

Consegui finalmente visitar uma acomodação vazia, já que estão sempre lotados. O lugar é muito legal, com temática em futebol e o clima festivo que os hostel geralmente têm. Se não me engano, é a única edificação em contêiner da região.


A fachado do Arena Maracanã Hostel preservando uma casa antiga de rua, os contêineres ao fundo no quintal. Quem hospeda-se na casa, não tem vista para o Maracanã e sim para a bucólica Rua Paula e Souza, já os hóspedes dos contêineres sim.




Placas de energia solar, hábito felizmente cada vez mais comum em hotéis e academias daqui do Rio. O hostel também reaproveita a água dos aparelhos de ar refrigerado, mas não deu para fazer a foto dessa bombona.




As áreas comuns da antiga casa onde o quintal atual é de gramado sintético e o antigo jardim aloja contêineres.










A fachada dos contêineres pela Av. Maracanã, repare que ainda aproveitaram o topo para um terraço. Eu vi esses contêineres sendo instalados com guindaste quando nadava no Parque Aquático do Maracanã e lembro de já terem chegado cortados e pintados exatamente como aparecem na foto hoje.








O contêiner da base virada para a área comum da piscina virou um bar aberto com banheiro público, opção simpática já que dificilmente esse hóspede teria sossego.





As escadas de acesso aos dois andares superiores são todas externas em ferro, mantendo a estética industrial.






Os corredores de acesso aos quartos, em escada e plataforma de ferro entre os contêineres. Uma treliça externa, que aparece na fachada dos contêineres garante privacidade e mantém a distância entre as acomodações.







As antigas manivelas de abertura dos contêineres forma mantidas nas estruturas externas, apesar de não terem mais função. Repare que a tubulação de água e esgoto aparece saindo pela base na foto abaixo e que os conduítes e tomadas de luz também são independentes na foto acima.






A entrada de um dos quartos com janela basculante no banheiro da suíte.





Vista interna dos quartos em contêineres, virados para o Maracanã e com temática futebolística. Paredes, pisos e tetos revestidos de material sintético e lavável, a direção escolheu não deixar a estética industrial e metálica do contêiner a mostra dentro das acomodações. As janelas são em esquadria de alumínio e eu imagino que a fiação elétrica esteja em conduítes entre o revestimento e a estrutura metálica original.






Acesso externo ao terraço pela escada comum a todas as acomodações, repare que os sofás são em base de pallet reaproveitado e tratado com pintura e verniz para aguentar chuva e sol.





 As duas vistas do terraço, a área comum de acesso pela Rua Paula e Souza e o estádio do Maracanã em dia de por do sol de verão.










Mais informação:
O projeto de aquecedor solar na Mangueira
Comprando orgânico, justo e local na Tijuca
 Os Parques Aquáticos Júlio De Lamare e Maria Lenk
A casa sustentável é mais barata - parte 02 (casas contêiner)
A casa sustentável é mais barata - parte 07 (pallets e bobinas)
Gerador de hotel alimentado por energia de pedaladas dos hóspedes
Turismo Sustentável e o Mapa nacional de praias próprias para balneário


Seu cão come coco? Semente de mostarda nele!

Coprofagia é uma condição canina desagradável.
Pior, é completamente natural um animal comer fezes.
Você dá vermífugo em doses cavalares, compra a ração mais cara, complementa a alimentação com frutas, carnes e grãos... e o animal come fezes da mesma forma.
Não é todo cão que é chegado, Graças a Deus. Mas infelizmente, muitos cães gostam de complementar a alimentação ingerindo as próprias ou fezes de outros cães.

Observe que um cão que ingere fezes caninas regularmente é completamente diferente do cão que nunca teve o hábito e, um dia na pracinha, correu para um arbusto e voltou com a cara toda emporcalhada de fezes com odor que lembra o das fezes humanas.

Lamentavelmente, eu já passei por ambos os casos, são situações completamente diferentes, até porque as fezes dos animais são geralmente secas e a única maneira de detectar o problema de coprofagia de fezes caninas é justamente notando ausência dessas fezes no jornalzinho da área de serviço.
Dos meus 3 cães, apenas um tem o hábito de ingerir com regularidade as próprias fezes ou as fezes dos outros animais da casa. Não adianta dar bronca, é um comportamento complemente natural.

Já o cão que não tem histórico de coprofagia, mas ao sentir o odor de fezes humanas, corre para aproveitar dessa fonte de proteína e carboidratos muito bem temperados e já digeridos, é apenas um animal que prefere a comida preparada à ração e sentiu-se atraído pelo cheiro da refeição que muito provavelmente vem do intestino de um morador de rua. Tampouco adianta tentar adestrar, é fora do controle do animal. A única maneira de evitar é não deixar o animal fora da coleira em áreas habitualmente frequentadas por moradores de rua, os ParCães de todo país, com seus solos em areia costumam ser uma boa opção.
Essa pode ser mais uma ótima razão para não andar com o animal solto nem deixá-lo correndo em parquinhos infantis.

Existem muitas técnicas para minimizar o problema de coprofagia canina. Se o seu cão não tem o hábito de ingerir as próprias fezes e apenas atacou uma ou outra moita, esse texto não é para vocês. Mas se o seu cão ingere as fezes dele e dos outros animais da casa com regularidade, aqui vai a minha experiência que pode ajudar a minimizar o problema.

Pode parecer óbvio, mas não deixar juntar fezes no jornalzinho faz toda a diferença. Diminui as chances.
Animais que passeiam com regularidade tendem a ser menos estressados e com isso, desenvolvem menos compulsões alimentares. Leve o bicho para andar e deixe o canto dele limpo sempre que possível, só isso já vai ajudar muito.

Não adiantou e você está desesperado. Eu pesquisei muito e encontrei 2 sugestões de ordem natural que podem ajudar:
O neem estibion, um fitoterápico com múltiplas aplicações veterinárias, parece que muita gente adota com sucesso. Eu nunca comprei para os meus cães e por isso, vou para a opção mais popular na sugestão abaixo.

Adicionar sementes de mostarda na comida do animal, pois as mesmas fermentariam e com isso as fezes assumem um odor menos atraente ao cão. Eu tentei e realmente funcionou.
Mas se existem vários cães na casa, a ração-comida de todos tem que ser batizada.
Sementes de mostarda são uma especiaria que rende o molho de mostarda fermentado obtido a partir dessas sementes. Quem frequenta feira orgânica já deve ter visto também folhas de mostarda à venda, são a planta resultante dessa sementinha que brotou e ficam deliciosas refogadas como couve à mineira.

As sementes de mostarda podem ser encontradas em empórios gourmet ou casas de granel tradicionais. Alguns supermercados também vendem sementes de mostarda em saquinhos como os de pimenta do reino e orégano.
Quem for leitor mais antigo, sabe que eu nunca comprei um desses saquinhos porque tenho o bom hábito de comprar tudo a granel em quantidade a preços mais em conta, com um mínimo de embalagem.
Então, quando vi na delicatéssen um tubo de ensaio com 30gr de semente de mostarda a R$15,00, nem pensei duas vezes e liguei de lá mesmo para o empório a granel árabe mais tradicional do Rio, a Casa Pedro. Valeu a pena, levei 1kg por uns R$10,00.
Não é toda filial que revende as sementinhas, mas para minha sorte a loja da Tijuca tem em estoque (Conde de Bonfim em frente à entrada social do Tijuca Tênis Clube, estação de metrô Uruguai ou Saens Peña).


Como servir na ração-comida:













Como armazenar, guarde ao lado dos potes e tudo que for relacionado aos animais, para não esquecer na correria antes de sair para o trabalho. Eu já deixo numa antiga meleira de vidro, facilita a rega dos 3 potes comedores.



























Receitas de molho de mostarda caseira sem conservante e açúcar a partir dessas mesmas sementinhas para quem cuida de cães com todo carinho:
Ketchup, mostarda e maionese caseiros (+ uma receita de salada de maionese sem maionese)






Mais informação:
Compras a granel
Microchipei meus cães
Dica sustentável e veterinária do dia: canela e joelho de boi 
Castre seu cão: 1 único casal gera 80.000.000 de filhotes em 1 década 
Comendo a ração que vende - parte 09: caminha de cachorro em pallet