sexta-feira, 10 de outubro de 2014

"É câncer, mas não é nada."

Aconteceu comigo e pode acontecer com qualquer um, homens e mulheres em qualquer idade, classe social e fase da vida.
Há muitos anos, eu vinha me arrastando de ginecologista em ginecologista reclamando de dores e perda de sangue. Como muita gente, fui feita de cobaia pela medicina, que, a cada médico do plano de saúde, recomendava uma pomada diferente. Era comprar as pomadas, usar e não adiantar nada. Eu voltava aos médicos, relatava o caso, dizia que não tinha nenhum sintoma vaginal comum, como coceira, ardência ou mesmo corrimento, mostrava preocupação e o ginecologista, que nem lembrava da minha cara, receitava outra pomada, afinal devia ser outra bactéria. Eu, que já não conseguia namorar há tempos, perguntava se não haveria relação com a alimentação (vegetariana e cheia de frutas e grãos), mencionava a literatura sobre fungos e imunidade e ainda ouvia de volta "Fungo? Fungo é cogumelo, essas bactérias são comuns, essa pomada vai melhorar. Seu hemograma está ótimo, você não tem nada."
Então, no auge da minha vida sexual, na casa dos 30, eu me vi impedida de ter qualquer intimidade por anos que se arrastaram, mas, que por outro lado, possibilitaram que eu focasse no trabalho em alto mar, dividisse apartamento com amigos homens de igual para igual, comprasse apartamento sozinha, entrasse para as faculdades que quis, fizesse mil cursos, fosse voluntária em lugares incríveis, partisse em retiros espirituais, escrevesse esse blog e igualmente importante, desencanasse dos ex namorados, que hoje são pessoas felizes por quem eu tenho o maior respeito.

A minha vida não era a que eu queria, além da falta de um parceiro, bastava comer 3 mangas (ou 1 abacaxi) em dia de verão para acordar perdendo sangue no dia seguinte. A homeopata do plano falava em acidez, receitava umas bolinhas (em base açucarada) e eu seguia regulando a alimentação por conta própria, começava a dieta da cândida do livro de Sônia Hirsch (que mudou a vida de milhares de mulheres) ou a dieta anticâncer do Dr. Barcelos (com literatura médica comprovando a cura de centenas de pacientes desenganados) e desanimava, sentia relativa melhora nos sintomas, mas não via uma mudança real. Ficava a suco verde, como na dieta anticâncer do Dr. Gerson (que curou um Prêmio Nobel e deu origem ao Instituto homônimo) e os sintomas pioravam para meu desespero.
Até é claro o dia em que o ginecologista e obstetra com 30 anos de prática (de muitas pomadas) disse que o quadro estava evoluindo para um câncer de colo de útero, mas que era "uma bobagem", que a mulher dele (uma senhora com 3 filhos e até netos), havia passado por isso e foi "só tirar tudo" (útero e ovários) que se resolveria rapidamente.

Ouvir esse diagnóstico aos 38 anos não é simples, eu havia deixado minha vida pessoal de lado, acreditava estar vivendo outro momento e que teria todo o tempo do mundo para pensar em planejar uma família, deixar de ir atrás de tantas aventuras, parar de flanar livremente por aí....
Na verdade, eu estava tomando suplementos como Whey Protein (com recomendação de um endócrino) e malhando 4 horas por dia, treinando natação em mar aberto inclusive (com supervisão), para o concurso do Corpo de Bombeiros - um sonho bem antigo de quem já foi chefe de brigada de incêndio como supervisora de segurança em plataformas de petróleo. E mesmo aos 38 com a imunidade baixa, eu nadava mais e melhor do que os garotos de 20 praticantes de Muay Thai que normalmente prestam esses concursos. Eu não me sentia doente e não via nada de errado comigo. Meus hemogramas eram e são de dar inveja.

Tudo passa pela sua cabeça num momento como esse, até punição divina. Não era o caso, o blog de Sônia Hirsch esclareceu que outros sintomas que também carreguei a vida inteira, como dores articulares nos joelhos, vista embaçada, micoses esporádicas, caspa, intolerância à glúten e lactose, ovários policísticos, enjoos matinais, cálculos renais e vesiculares, alergias hepáticas e respiratórias, sensibilidade à luz, vertigem com altura e até a asma que quase me matou quando criança (e foi tratada com corticoide), não eram simples coincidências.


De acordo com a primeira médica que me atendeu e correlacionou todos esses problemas ao óbvio, um problema de imunidade, tratável e reversível e que provavelmente eu não tinha nem o fungo da cândida propriamente falando. A lendária ginecologista, obstetra e homeopata Dra. Stella Marina dos livros de Sonia Hirsch riu de algo que eu já desconfiava, que sou um touro e foi justamente essa estrutura física forte que me fez driblar os sintomas a vida toda, deixar de ser asmática e ser nadadora, não ter cáries ou ossos quebrados, nunca gripar, etc. Até é claro, os sintomas vaginais, que não se driblam, me derrubarem. Outros teriam voado, segundo Dra. Stella. A consulta dela não é barata, mas leva 3 horas, não receita pomadas e aponta causas até para sua preferência por picles, que, ao contrário do que os outros médicos pensam, é sim um sintoma do mesmo problema que um dia acaba num câncer de colo de útero. 
E pela primeira vez ouvi alguém perguntar se eu era parente do Major Daemon da rua homônima no Centro. Dra. Stella, como eu, adora a história do Rio antigo e conhecia tudo sobre a rua. Olhou para mim e sorrindo disse que eu era uma vocação militar perdida, também teria chegado facilmente à Major antes dos 40, como os homens pelo meu lado Daemon, plenamente capaz de comandar um batalhão - do que eu também já desconfiava. 
Maravilha das maravilhas: o consultório dela é na Tijuca, a 10 minutos de caminhada daqui de casa.

Quem não acredita nas minhas capacidades "Wolverine", uma historinha: Para o mesmo concurso dos Bombeiros, resolvi extrair um siso incluso no Carnaval deste ano, aproveitaria os dias de folga para descansar em casa. A cirurgiã ficou 2hrs debruçada em cima de mim com aquela serrinha, saiu exausta. Levantei da cadeira dela anestesiada e cheia de recomendações, porque incha, só pode beber líquido, o paciente acorda com olho roxo no dia seguinte, é um horror, etc. Voltei para casa esperando pela pior noite da minha vida, cheguei a deixar o celular da cirurgiã na mesinha de cabeceira. Dormi normalmente. Acordei igualzinha no dia seguinte, nenhum inchaço, a cara de sempre. Preparei a carninha moída e o pure de aipim especialmente comprados para atravessar a fase braba. O dia transcorreu normalmente, me dei conta de que não fazia a menor diferença estar ou não operada. Então, fui correr na ciclovia do Maracanã, que é do lado da minha casa, afinal o concurso para os Bombeiros também teria provas de corrida. Correr em treino militar com os joelhos comprometidos e metade do rosto ainda anestesiado, entende? À noite, pedi uma pizza, mastiguei pelo outro lado (era 1 único siso) enquanto assitia aos desfiles das Escolas de Samba e dei a comida de doente para os meus 3 cães, que adoraram a brincadeira. Voltei na cirurgiã 1 semana depois, bronzeada, feliz e nem ela acreditou na pizza, na corrida e na ausência de qualquer inchaço, mas creditou tal fenômeno a minha suposta juventude, para ela eu ainda não havia chegado aos 30... 
E mesmo com um organismo digno do Wolverine, eu tomei os antibióticos recomendados. Comi pizza e fui correr, mas não me fiz de engraçadinha nem bebi cerveja.





O site Cure Natural Cancro nos lembra que o câncer é um fungo. Dr. Raul Barcellos, oncologista carioca já falecido, considerava o câncer uma espécie de alergia em último grau, uma última forma do organismo se defender de tantos ataques externos, geralmente alimentares ou por intoxicação e, para cura, continuava com a quimio, mas receitava uma dieta que cortava muitos alimentos tradicionalmente alergênicos, como lácteos, feijões, coco e abacate por exemplo. Já o site Greenmedinfo alerta que a intolerância ao glúten é relacionada à cândida, mesmo aos que não apresentam os outros sintomas, e não trata a cândida como um fungo, mas como um fermento, como os dos bolos e pães (feitos de glúten). Nos livros da Sônia, ela nos lembra da também falecida Dra. Hulda Clark, parasitologista norte-americana, que afirmava que morremos devido à 2 agentes externos: toxidade e invasores como fungos, vírus e parasitas. E por todas essas razões, a chave é sempre o sistema imunológico e a alimentação.





Mas o que é a cândida e por que ela mata se fora de controle? 



cândida albicans é um fungo que vive pacífica e normalmente no nosso organismo, até na pele segundo minha dermatologista (do plano de saúde, mas PhD pela Universidade de Cornell, NY). O problema é quando sua imunidade baixa e o fungo, como todo hospedeiro, migra para regiões estranhas ao organismo e toma conta. Uma pessoa com imunidade alta bebe água da bica num dia de emergência e não acorda cheia de vermes no dia seguinte, afinal o organismo reage e expulsa o novo invasor. Diarreias e vômitos fazem isso por nós, quando necessários - daí o hábito antigo de tomar um laxante assim que os primeiros sintomas de gripe se instalam, o muco cheio de bactérias sai e devidamente desintoxicado, o organismo se restabelece, reagindo melhor ao vírus da gripe, que é um agente externo. Por isso algumas pessoas "pegam gripe" e outras não, apesar de expostas aos mesmos ambientes. No fundo, não é a gente que pega uma gripe, mas um vírus mutável que invade os organismos desavisados. É a gripe que nos pega.




A nossa sociedade e a vida moderna são um prato cheio para que as pessoas desenvolvam quadros imunodepressivos: alimentação fraca + engarrafamentos + edifícios refrigerados + medicação a toa + estresse + relações ruins...   

Ney Matogrosso, que deve ter o mesmo corpo e pele há 50 anos, relatou em entrevista publicada na revista dominical de O Globo, que não entende como não contraiu AIDS, afinal tinha certeza de ter sido exposto ao vírus, quando ainda não havia nenhuma profilaxia e literatura para o mesmo. Não tente fazer igual, ele deu sorte quando não havia profilaxia, hoje existe.









Em mulheres, a candidíase é um problema vaginal comum, provavelmente agravado pelo uso de jeans justos, calcinhas de lycra, protetores diários, sabonetes perfumados, alimentação desregrada, uso de antibióticos, etc. O fungo, benéfico nas paredes dos intestinos e estratégico no final da digestão, migra para o canal vaginal, que é normalmente ácido exatamente para se defender (mas alcaliniza se agredido), e faz da vida da moça em questão um inferninho, tratado a pomadas e fungicidas da alopatia, o que só serve para debilitar ainda mais o organismo e fortalecer o fungo.









A candidíase não tem nada a ver com qualquer prática sexual, como os cânceres de colo de útero e mama tampouco, essas associações são de profunda ignorância e só servem para constranger as mulheres, estigmatizando condições da natureza humana e tornando sua cura ainda mais difícil. Observe inclusive que esses males acometem mais justamente as mulheres mais velhas, que geralmente vivem de café com biscoito, não passam sem um bolinho e tendem a praticar menos atividade física e pegar sol.

A cândida, como o câncer de mama, pode atacar homens também, mas a complexidade do sistema hormonal feminino, torna as mulheres a maioria das pacientes. E claro que a cândida, como qualquer vírus, bactéria, verminose ou fungo, instala-se muito mais confortavelmente em organismos imunodeprimidos.




Eu não cheguei a ter cândida, que é diagnosticada pelos exames ginecológicos comuns, mas claramente tive problemas de imunidade que me levaram a sintomas os mais variados e isso explica porque a dieta específica não me afetou como afeta as outras pessoas.
O que eu tive e ainda tenho, segunda a Dra. Stella Marina, é um sistema imunológico mal construído e invadido, afinal faço parte da primeira geração de brasileiros criada a Coca-cola, Leite Moça, requeijão de copo e claro, Danoninho, Nescau e Leite Ninho. Na postagem sobre refrigerantes caseiros, conto até que a primeira palavra que falei foi "Coca", que mamei desde sempre na chuquinha. Quando doente, antibióticos, corticoides e toda a alopatia sugerida pela pediatria da época. Não por um acaso, assim que eu desmamei, a asma "apareceu" e assim que comecei a nadar e tomar sol, ela se foi "como que por milagre", antes dos meus 5 anos - o que surpreende os médicos até hoje, afinal ninguém se cura da asma, aprende-se a viver com ela e a vítima segue a vida com bombinhas broncodilatadoras e alergias "inexplicáveis".

Só que aos 7 anos, já nadando no Flamengo, outro sintoma invasor se manifestou, o mais claro indício da presença de um fungo fora de controle, a caspa, que eu controlei com xampus da cosmética natural a vida toda, sem enfarinhar minhas roupas. Segundo os muitos dermatologistas que visitei durante a adolescência, era alergia aos xampus convencionais, afinal todo asmático é alérgico, "Você não foi asmática? Então!". E, no lugar de receitarem a cosmetologia natural, mandavam aviar os xampus caros  das farmácias de manipulação, que, com o tempo, paravam de fazer efeito.

Mas aos 36, eu cansei de perder sangue por causa de mangas e abacaxis e, mesmo nunca tendo tido uma citação de cândida em qualquer exame ginecológico (sempre normais como meus hemogramas, apesar dos sangramentos), encarei a versão suave da dieta e minha caspa sumiu ao final da primeira semana.
A dieta da cândida em suas 2 versões, radical e suave, é fartamente explicada no blog e livros de Sônia Hirsch, está salvando muitas mulheres e é até agora o único tratamento eficaz para candidíase. Essa dieta realmente melhorava meus sintomas, afinal todos os que apresentam síndromes ou quadros imunodepressivos, geralmente apresentam sintomas de contaminação por vírus, fungos, bactérias e verminoses. Melhorava os meus sintomas, mas não resolvia o meu problema, o que Dra. Stella Marina viria a me orientar e por isso, eu não via luz no fim do túnel.


Quem faz a dieta suave da cândida, pode comer coisas deliciosas que permitem uma vida normal por muitos meses, o que é o indicado para restabelecer o organismo. A dieta suave para cândida libera carboidratos complexos como inhame e aipim, além de feijões e até algumas farinhas, como aveia, quinoa, trigo sarraceno do soba e semolina de cuscuz. A versão radical, mais restritiva, proíbe os alimentos acima, mas libera iogurte caseiro, missô e shoyu de fermentação natural, abóbora, cenoura, beterraba e algumas frutas como limão, coco, frutas vermelhas, melancia e goiaba. Ambas permitem que você coma todas as carnes, ovos, folhas e excepcionalmente, manteiga. Alguns legumes, como tomate, berinjela e pimentão são proibidos, como todas as batatas, lácteos e grãos em ambas as fases, radical e suave. Em suma, tudo que fermenta e assim, fomenta os fungos.
E o blog da Sônia, seus livros e os profissionais que ela recomenda são a melhor fonte de consulta para quem vai encarar. O que faço aqui é apenas relatar minha experiência pessoal, não tenho a menor intenção de substituir nenhum dos citados, nem posso por pura ignorância.


Eu vinha  inocentemente fazendo a dieta suave da cândida na base do meu "achismo" e sendo muito indulgente, afinal não me via doente e acreditava piamente que poderia pular a fase radical. Então, segui comendo moqueca de peixe em leite de coco e dendê com aipim, pure de inhame na manteiga acompanhando frango com quiabo, bobó de camarão, vaca atolada, morangas com shitake, cuscuz de semolina, yakissoba de sarraceno com vegetais, muitos falafels assados de feijões variados, omelete de salmão defumado com ervas finas, escondidinho de bacalhau e até um macarrãozinho de farinha de grão de bico com molho pesto caseiro (sem castanhas), ovinho quente na manteiga com salsinha, sardinha na brasa com brócolis, ceviche de muitos peixes com coentro e claro, sopas de beterraba ou pepino com iogurte, de feijão com couve no alho, iogurtes caseiros com coco e frutas vermelhas, uma goiaba ou outra e sumo de cenoura com gengibre na centrífuga, que é das coisas mais deliciosas que já bebi...

Até que Dra. Stella Marina cortou meu barato e sugeriu uma dieta nova ao meu caso, que, como já disse, não era cândida: a dieta draconiana, ainda mais restritiva do que a radical (que eu queria pular), liberando apenas 3 alimentos: todas as folhas, todas as carnes (e ovos) e apenas 3 legumes (abobrinha, pepino e chuchu - tudo água). Para cozinhar, só azeite, ervas, sal, alho e cebola, gengibre e canela, pimentas só as frescas.
Manteiga, cogumelos, framboesa, iogurte, missô, beterraba e o leite de coco normalmente liberados na dieta radical da cândida, nem pensar! 
Na verdade, a dieta draconiana não permite nem os 3 remédios naturais mais indicados para a candidíase: o rejuvelac de trigo em grão, o kvass de beterraba e a água benta de feijão fradinho. Daí a dieta draconiana não ser exatamente uma dieta para candidíase, apesar de também se prestar muito ao problema, afinal é ainda mais rigorosa do que a dieta radical para casos crônicos.


Imagino como leiga que as dietas para cândida combatam as cepas da cândida em específico, mas que a dieta draconiana seja uma espécie de sossega leão, até para casos de câncer. Numa análise bem simplista, as dietas do Dr. Barcellos contra o câncer, ambas as versões da dieta da cândida e a evolução para a draconiana parecem uma escala de rigor, onde vão excluindo-se alimentos paulatinamente, até só restarem carnes e folhas - para não matar o paciente de fome, enquanto o organismo encarrega-se da cura num processo natural bioquímico de reorganização celular, por exclusão dos alergênicos, fermentos, ácidos, açúcares e amidos. Como já definia o Dr. Barcellos, excluir os agressores para que o mesmo não tenha do que se defender.


Está sendo uma revolução, afinal fui vegetariana e curei meu ovário policístico aos 29 anos com uma dieta vegana, integral, sugar free e sem nenhum produto industrializado, que segue a linha de outros livros da Sônia, o "Deixa Sair" e o "Sem açúcar e com afeto" (citados aqui na postagem específica sobre açúcar). Mas a mesma dieta que desintoxicou os cistos, alimenta fungos e favorece quadros alérgicos por ser em base de carboidratos integrais, muitas raízes, feijões e frutas - tudo que amo, mas agora, está proibido. 
Antes, meu prato ideal era composto de arroz integral, feijão, abóbora, inhame, farofinha e couve (agrião, mostarda ou taioba) à mineira. Nos lanches, gazpacho, sanduíches de salada, cremes de abacate, tapiocas, muitas frutas com granola caseira e melado... 
Hoje, só posso a couve e sempre com carne, que eu não sei nem preparar. Palmito só do natural, industrializado não pode, porque é tóxico. Cogumelos, que adoro e são liberados na dieta radical da cândida, estão proibidos também. Limão, só para temperar comida e limonada, que sou fissurada, só no ano que vem.

Estou encarando, já sequei 5kgs e, segundo ela, a canseira vem aí, com tudo. Não é uma dieta de emagrecimento e não deve ser feita sem acompanhamento médico, é a reconstrução do seu sistema imunológico, é reverter um quadro de uma vida inteira.
Tive que terminar uma obra em casa antes de começar, porque químicos como tinta de parede e produtos de limpeza atrapalham a reconstrução do sistema imunológico, já que intoxicam (como os agrotóxicos liberados). Quem está tomando remédios por qualquer razão (cirurgia, gastrite, infecção, etc), deve terminar a medicação antes de começar, porque o sistema imunológico vai estar trabalhando em dobro. Importante: não abrir mão da medicação, Dra. Stella é médica com 3 especialidades, não é gurua nem curiosa. O consultório dela aqui na Tijuca é normalíssimo, não tem incenso nem gnomo.

No terceiro dia da dieta draconiana, a caspa havia sumido e minha vertigem em altura também.
Achei que era psicológico, comi uns pães de queijo e umas frutas do conde, os sintomas voltaram.
Voltei à dieta, voltei ao normal. Tentei driblar a dieta tomando H20, que não é considerado refrigerante e consta como cítrico de caloria zero, estouraram muitas aftas na minha boca e quase caí dura ao subir uma escada vertical de navio, a vertigem de altura voltara com a corda toda. Tive que esquecer e até então, venho andando na linha.
Descobri enfim que adoro picanha, sardinha, fígado de galinha e brotos em geral, alimentos que eu não tinha hábito de comer e fáceis de encontrar nos restaurantes. Tenho o cuidado de não pedir nada com molho de tomate ou shoyu, cheio de óleos e molhos. Em casa, gosto de fazer vegetais e peixes grelhados, como o camarão com chuchu e a couve flor (ou abobrinha) passadinha no ovo e dourada num fio de azeite. Mantenho água aromatizada de gengibre e um azeite cheio de alho moído na geladeira, tudo orgânico. Bebo dessa água sempre que posso e só tempero as saladas com o azeite, ambos são microbicidas naturais e deliciosos.

Por que "draconiana"? Porque, segundo Dra. Stela, os pacientes não têm nenhum problema, seja caspa, joelhos fracos, alergias, asma, problemas de vista, fígado, estômago e em alguns casos, até a cândida, mas os sintomas não passam de dragões que confundem sobre o problema real.
Observação: para fazer por pelo menos 3 semanas, menos do que isso não compensa. Ideal, levar a draconiana por 2 meses. Para depois, encarar as versões radical e suave da dieta da cândida ou até a dieta anticâncer do Dr. Barcelos. Sempre com acompanhamento médico.


As receitas, comidas, fotos e afins vêm aí, de todas as fases: draconiana, radical e suave, comendo na rua e em casa, sem neura. 



A primeira receita, boa para quem não precisa da dieta draconiana, do site de Jamie Oliver: Simple Sugar Free Strawberry Lemonade




Mais informação:
Sonia Hirsch
Outras curas
Não contém glúten
Refrigerante caseiro
Águas aromatizadas
Gripes e Resfriados
Vá pegar uma praia!
Panela velha é que faz comida boa
Mamãe não passou açúcar em mim
Celulares, radiação, câncer e esterilidade
Deixem Jess Ainscough descansar em paz
Plásticos não podem embalar comida, bisfenol-A intoxica
Carta aberta dos bombeiros do Rio de Janeiro à população
A polêmica dos cosméticos "verdes" e um par de dicas da vovó
Então a sobrinha tetraneta do Major Daemon foi puxar samba e trabalhar na Zona Portuária

21 comentários:

Ana dos Santos disse...

Também deixei de ser vegetariana por conta de uma doença autoimune: retocolite ulcerativa, também segui dietas da querida sônia e dietas da medicina chinesa. Agora fui numa nutricionista e além de perder peso, minhas dores no corpo sumiram, me sinto disposta, durmo melhor, VIVA A ALIMENTAÇÃO QUE COMBINA COM VOCÊ!!!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Sem a Sônia, eu não sou ninguém, espero que ela viva pelo menos uns 200 anos.

Soraia disse...

Melhoras!!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Obrigada pelas manifestações de carinho e estima de melhoras. A dieta é desenvolvida por médicos com vasta literatura publicada e até agora, foi a única opção que parou meus sangramentos.
A alimentação baseada em frutas e carboidratos piorou muito meus sintomas exatamente por fermentar, o que as folhas e carnes não fazem.
Eu acredito que uma pessoa possa ser vegetariana por toda vida e viver melhor do que um carnívoro. Acredito que o consumo de carnes cause outras doenças, mas tenho convicção de que em caráter de exceção, frutas e carboidratos devam ser retirados e, na sua ausência, só sobrando folhas, o paciente tenha que recorrer às carnes. Como é o meu caso hoje.
Na verdade, encontram-se mais fungos em frutas secas do que em muitos queijos. Quem está com a imunidade em dia, tira de letra. Quem não está, vira uma colônia. Foi o que aconteceu comigo, criada a açúcar. Agora, é virar o jogo.

Mônica disse...

Olá Csrol,
Bom dia! Amei o seu blog! Temas diversos!!
Tenho praticamente todos os sintomas q vc relatou, menos o sangramento. Minha dúvida seria: Qual o seu cardápio do dia-a-dia, com a dieta draconiana? Vc só faz as 3 refeições, ou tem lanches também? O q toma no café da manhã? E no jantar? Já vi que minha dieta está toda errada, pois venho consumindo muito carboidrato (tenho candidíase confirmada)...
E quanto a suplementos, vc toma algum? Tipo probióticos, vitaminas ou medicamentos naturais? Te agradeço a atenção! Grande abraço e cura definitiva pra você! Mônica.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Mônica, sinto muito pelo que está passando. Eu ia fazer um passo a passo da dieta e desisti para ninguém entrar aqui e achar que deve se guiar pelo blog. Nada substitui a conversa com a Dra Stella. Só ela pode dizer o que vc deve ou não comer e como fazer isso. Eu não tomo nenhum suplemento, não precisa. Um abraco e boa sorte, Carol

Mônica disse...

Bom dia, Carol,
Compreendo perfeitamente o seu cuidado e agradeço imensamente por compartilhar informações através do seu depoimento, que me serviu de alerta e de reflexão quanto a questão da importância de se levar a sério a dieta. Infelizmente fica, neste momento, inviável sair do interior da Bahia para uma consulta com a Dra. Stella, mas quem sabe :um dia conseguirei? Fica o meu agradecimento pelo alerta. Grata para sempre, Mônica.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Monica, vc pode enviar enviar seus exames peli correio-email e conversar por telefone. Bate um papo com ela: 2284-2208, 2264-2714

Mônica disse...

Obrigada pela luz. Preciso atualizar alguns exames e vou tentar o contato com a médica.
Saúde pra ti!! Abraço fraterno, Mônica.

Anônimo disse...

OLá , gostaria de indicação de ginecologistas, se possível em SP. Tentei a Dra Stella, mas não consigo contato

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi. Não sei mesmo... Ia te sugerir justamente pedir uma indicação à Dra. Stela. Sei de um Centro ginecológico feminista, um coletivo de médicas mulheres com sede em SP e Floripa. Parece q fazem um tratamento mais humanizado pelo preço da tabela. Mas não tenho nenhum contato... O Hospital Pérola Bighton aí em SP é citado no livro da Sônia. São referência em saúde da mulher, conhece?

Carolina disse...

Oi, Carol.

Descobri hoje que terei que operar para a retirada de um mioma que está maior que o meu útero e que talvez a retirada do útero também seja necessária! Estou pesquisando métodos alternativos e como a minha irmã é louca pela Sonia acabei parando aqui no seu blog. Este post me fez repensar na minha alimentação, que é muito boa comparando-a com a de pessoas bem próximas, pois acho que ainda posso melhorá-la. Já tenho outros médicos agendados para outras opiniões e tentarei a Dra Stella Marina para saber a opinião dela sobre meu caso. Obrigada por compartilhar conosco sua experiência!

Bjux, Carol Sahione.

Rik disse...

Oi Carol, me chamo Rik, percebi que todas essas dietas exigem uma condição financeira ou estou errado? Tenho 27a e cortei arroz, feijão, tenho consumido apenas todo o tipo de folha e ovo, eu odeio ovo e foi um alivio perceber que posso continuar comendo frango, não como com tanta frequência carne pois sinto que deixa pesado, minha candida se manifestou em todo o corpo em forma de.manchas vermelhas, no anus e na glande, depender fo sistema público foi terrível, me passaram fluconazol e pomada, estou usando porém seu blog me ajudou mt na busca de uma alimentação.
Pela manhã tenho tomado suco verde, e de tarde comendo muitas folhas e ovo apenas, vc caha que estou no caminho certo?

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

OI Rik, vc está cometendo 2 erros:
1. Corte o suco verde imediatamente, vc não pode comer nenhuma fruta;
2. Assim que o antifungicida terminar, não volte a consumir, ele só vai tornar a cândida mais forte.

Realmente grãos são mais acessíveis do que carnes e ovos. Mas observe que a partir da fase suave, vc pode comer todos os feijões e algumas raízes, como inhame, aipim, cenoura, abóbora e beterraba. Algumas pessoas incluem tb aveia e quinua, eu não incluí para não arriscar.
Na fase radical, a que vc deve seguir imediatamente, realmente só carnes, ovos e folhas, além do alho, cebola, pepino, abobrinha e chuchu.

Eu fiz as duas versões da dieta com muitas fotos, dá uma olhada na postagem abaixo para se situar melhor:
http://caroldaemon.blogspot.com.br/2015/07/a-dieta-contra-candida-que-eu-segui-e.html

Abs e volte para contar e perguntar o que quiser

Camilla disse...

Oi, Carol
tudo bem?

A Dra. Stella é ginecologista?
pergunto pois cheguei até aqui através de pesquisa para uma dieta mais saudável pro meu pai que está em tartamento de um câncer de pulmão. Meu pai tem todo um histórico de doenças (inflamatórias, principalmente).
Sinusite crônica que o acompanha a vida toda. Antes do tumor no pulmão, ele operou uns 6 anos seguidos um cisto que nascia na cabeça. Além de outras coisas.

Eu gostaria muito de poder ajudá-lo nesse sentido com a alimentação. Como o caso dele é bastante específico e ele tambem faz tratamento com anticoagulante, eu jamais me arriscaria em tentar fazer algo por conta própria.
Se a Dra. realmente só atende mulheres (partindo da premissa que ela é ginecologista), eu queria saber se você tem indicação de um outro médico/a que poderia me auxiliar nisso.

No mais, seu post foi muito esclarecedor em vários sentidos. Obrigada por isso.

Camilla

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Camila. Sinto muito pelo seu pai. Sim, Dra Stela é ginecologista. Mas vc pode comprar para seu pai o livro sobre o oncologista Raul Barcelos escrito por Sonia, a foto dele vem acima na postagem. Traz uma dieta anticancer carnívora muito acessível e respaldada por literatura médica oficial. Há também uma outra linha, do Dr. Gerson, fundador do Gerson Institute, que sugere outra dieta anticancer, essencialmente vegana. Há 2 postagens aqui no blog que abordam essa dieta, ambas links das acima "Deixem Jess Ainscought descansar em paz" e "Morrendo por não saber". Com certeza, vc vai encontrar oncologistas que pelo menos conheçam ambas as dietas que não substituem a quimioterapia, apenas complementam.
Qualquer coisa, escreva para Sonia, autora do livro sobre a dieta anticancer do Dr. Barcellos, ela vai poder te indicar pelo menos uma nutricionista de confiança.
Boa sorte para seu pai e escreva sempre que precisar

Camilla disse...

ô querida, muito obrigada! de verdade :)
farei isso
Eu estava bastante perdida e encontrar seus post foi muito importante pra mim.
Não sei se você consegue ter dimensão do gesto que é tornar essas informações públicas, de minha parte garanto que foi um respiro pros atuais tempos de pressão que vivo.

Espero que a vida lhe devolva tudo isso, todo o sentimento bom que eu experimento nesse momento.

Muito obrigada mais uma vez :)

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Por nada, Camila. A única ideia aqui é essa, difundir informação confiável para ajudar as pessoas. Desejo muito sinceramente que seu pai tb saía dessa. Feliz ano novo para vcs.

Eunice Garani disse...

oie Carol. estou há 10 dias na dieta da candida da sonia... dieta suave que é pesada rs p mim pelo menos ... fui fazer coalhada... e nao resisti comprej mamao e granola sem acucar ... por conta do gosto muito amargo da coalhada... sinto necessidade de comer com alguma coisa doce ... nao compro mais pois nao consigo parar de comer. sem os carboidratos me sinto mais em paz quando como acaba pois só sinto vontade de comer mais. tenho sofrido bastante por ser uma viciada em açucar branco desde criancinha... =( fiz errado, eu mesma me trapasseei. mas tem volta... posso fazer tudo certo na proxima refeicao

Eunice Garani disse...

carol eu também comecei a ter gases e prisao de ventre mesmo comendo linhaca e verdes... as vezes acho que tenho que fazer uma dieta p intestino

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Eunice, intestino é colônia. Tem que reflorestar, não tem escapatória.
O lado bom é que uma vez regulado, para sempre regulado.
Beba muito missoshiro de fermentação natural, coma muitas folhas, feijões e capriche no azeite e manteiga para lubrificar e empurrar as fezes ressecadas.
Vc tá na fase suave, coma beterraba todos os dias e faça as sopas de inhame com agrião (ou aipim com couve ou abóbora com bertalha), ajuda tb, por ser quente, líquido e ainda trazer as fibras das folhas.
Beba muita água sempre, para o resto da vida.
Para ajudar a repovoar a colônia, o missoshiro é fundamental, mas fazer o iogurte caseiro e as bebidas do tipo rejuvelac e kvass indicadas no livro tb ajuda muito. O misso só é mais prático pq já vem pronto e o iogurte vira de lei pq é proteína pura, que disfarça e muito a fome em qualquer etapa da vida.
Na verdade, o iogurte é considerado o "alimento da mulher" em muitas culturas antigas justamente pq ajuda a povoar outra flora além da intestinal, a nossa flora genital. É um dois em um e, na minha opinião, a única maneira saudável de se ingerir lactose, fermentando para já chegar digerido no estômago.
Tente juntar canela e coco ralado (ou óleo de coco) ao seu iogurte caseiro de fermentação natural, vai disfarçar o azedume e vc vai estar ingerindo os mesmos lactobacilos e proteína pura.
Eu fiz uma sopa fria salgada de pepino com iogurte e hortelã, deliciosa, melhor ainda no calor. Vc pode fazer tb, dá vontade de bater um copão todo dia.

Se entupir muito e vc ficar desesperada, beba meio copo de azeite (ou óleo de coco) seguido de um copo de água (para empurrar o óleo), vai ser questão de hrs para correr para o banheiro. Pingue umas gotas de limão nesse azeite se não suportar puro.

Mamão e granola não podem de jeito nenhum, mas vc pode juntar morangos ou goiaba (as frutas liberadas) e aveia pura tostada (um dos poucos grãos liberados) com canela e coco para adoçar quando estiver desesperada de saudades. Eu tb quase enlouqueci quando comecei a fazer a dieta, hoje nem ligo mais para a metade das coisas que me consumiam. Paladar é disciplina e hábito, se educa.
Use a imaginação que a situação melhora. Vai passar.