quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Comprando orgânico, local e justo na Tijuca



Quando comecei a escrever esse blog, morava no Maracanã, num apartamento antigo com jeito de casa, metade da sala com telha aparente e linda vista para os jardins e pedreira do Colégio Militar. Olímpia, meu único cão na época, passava seus dias num terraço.
Depois, consegui realizar um antigo sonho e me mudar para o Flamengo, que viria a aparecer aqui em tantas postagens, como a Feira Orgânica do Flamengo por exemplo.
Mas eu detestava o apartamento, meus vizinhos detestavam os meus cães e me vi novamente voltando a morar no Maracanã, sub-bairro da Tijuca, numa casa de vila, cuja vista tem direito a mangueira. Eu gosto muito do bairro, em alguns aspectos gosto até mais do que o Flamengo.

História engraçada: uma vez por ano, comemora-se o aniversário do Colégio Militar (centenário), normalmente junto com as Olimpíadas do Colégio, que recebe alunos de outras unidades do Colégio Militar pelo país inteiro. Uma semana antes, quem mora nas cercanias recebe um aviso formal do Colégio pedindo para, na véspera da festa de abertura dos jogos, deixar as janelas abertas, a fim de que o disparo dos canhões não estilhasse os vidros. Canhões!!!

Não é brincadeira, na véspera à noite, os síndicos normalmente interfonam relembrando e logo cedo pela manhã, você sente o prédio inteirinho estremecer com um abalo ensurdecedor. 
São os canhões do Colégio Militar... 
Em segundos, você levanta apavorado, corre à janela (previamente aberta) e ouve rufar de tambores, uma corneta de convocação de batalhão e  uma voz máscula e potente (normalmente masculina) ordenando "Alunos, em formação! Uma salva para os alunos do Colégio Militar de Manaus!" (segue salva de tiros), "Uma salva para os atletas do Colégio Militar de Belém!" (outra salva de tirose assim segue...

Abaixo, a foto da vista dos jardins do Colégio Militar no meu apartamento antigo. Muito bonito, mas uma vez ao ano, tem disparo de canhão e rufar de tambor com direito à corneta e salva de tiros.






Uma reclamação muito recorrente a quem não é dos bairros da Zona Sul (nobre) do Rio é a ausência de opções orgânicas à venda.
Realmente a oferta não é igual em proporção, mas em qualquer lugar é possível encontrar muitas opções de orgânicos e todo um comércio justo e slow, até porque se a especulação imobiliária não chegou com a mesma fúria, as chances do comércio tradicional ter sobrevivido são muito maiores.

O próprio Guia Slow Food Carioca, linkado abaixo, cita 2 estabelecimentos na Tijuca, 1 no Grajaú e outros 2 na Praça da Bandeira, os dois últimos bairros são na verdade sub-bairros da região. Indicam também dezenas de outros estabelecimentos no subúrbio e mais 2 em São Cristóvão, bairro vizinho.
São Cristóvão e Benfica são redutos tradicionais da colônia portuguesa na cidade, sede do Vasco da Gama inclusive, come-se melhor do que em qualquer outro lugar, apesar de serem bairros mais modestos. 

Em São Cristóvão, de onde se chega a pé do Maracanã, também é possível visitar um dos meus lugares favoritos na cidade: O Centro de tradições nordestinas Luiz Gonzaga, ou a feira dos paraíbas como se chama a boca pequena, aparece aqui em dezenas de postagens e também indicada pelo Guia Slow Food.
O único restaurante da cidade específico com gastronomia da Sardenha e Sicília também fica no bairro, a Casa do Sardo, que ainda oferece feira de trocas de livros e discos temáticos. E na minha humilde opinião, um dos os melhores restaurantes portugueses dessa cidade está em São Cristóvão, pertinho do Pavilhão Nordestino por sinal: Adegão Portuguêsindicado pelo Guia Slow Food, é claro. Indo à São Cristóvão, aproveite para conhecer também outros 2 lugares únicos: o Museu de Astronomia (MAST) e a Quinta da Boa Vista.

E indo à Benfica, não deixe de conhecer a CADEG, o Centro de Abastecimento do Estado da Guanabara, promovida à Mercado Municipal do Rio de Janeiro. Os festivais gastronômicos anuais são preciosidades. A CADEG é o Mercado Municipal do Rio e também tem postagem exclusiva linkada.

O documentário "Boteco", igualmente linkado abaixo, também indica mais botecos genuínos na região da Tijuca e Vila Isabel (mais um sub-bairro local) do que em qualquer outro bairro da cidade. A postagem é decorada com 2 fotos, uma da Adega Pérola (em Copacabana e indicada pelo Guia Slow Food) e outra de um pé sujo a 5 minutos de minha casa, o Bar do Bode Cheiroso (premiado pelo Comida di Boteco), com placa de prata nas paredes azulejadas em homenagem às muitas turmas de ex-alunos do Cefet (escola técnica e universidade federal da vizinhança) que por lá passaram. Comovente.

Lembrou do Festival Comida de Buteco? Pois a Região da Grande Tijuca é geralmente a que envia a maior parte de botecos concorrentes na versão carioca, justamente porque o bairro tem um perfil provinciano e seus bares são realmente os mesmos há 50, 60 anos. Mais abaixo, eu indico meus botecos favoritos no bairro, mas adianto que Juarez Becoza, que assina a coluna Pé Sujo do Globo, também é habitué da região e fornece dicas preciosas nesse setor.





O bairro também tem Feiras Orgânicas semanais como as da Zona Sul, a da Praça Afonso Pena, estação de metrô, toda quinta pela manhã e na Praça Xavier de Brito, aos sábados.
Além da Feira Orgânica semanal do Grajaú, às quintas na Pça. Edmundo Rego. 


As fotos abaixo são da Feira semanal da Afonso Pena às quintas, mais próxima de minha casa do que a da Xavier de Brito e do Grajaú.













O senhor acima vendia nabos e bananas, parei para olhar sem muito interesse e ele generoso me "doou" folhas de nabo. Disse que quem compra o nabo, pede para ele se desfazer das folhas, que não cabem na sacola e tampouco teriam serventia. Levei e aqui em casa, teve muita serventia, virou suco verde fotografado em postagem homônima daqui do blogNão se joga comida fora, principalmente orgânica. Folha de nabo, além de fonte de nutriente, é gostoso no omelete, arroz, feijão, refogadinha...



Projeto Hortas Cariocas, ainda não fui visitar. Mas deixo o link desse projeto que incentiva cultivo e consumo de produtos orgânicos. Fazem parte da rotina de famílias nas Comunidades (Favelas) da Formiga, Borel, Salgueiro e Chácara do Céu. A proposta visa a utilização de técnicas orgânicas e aproveitamento da mão de obra local em sistema de mutirão remunerado. Do total produzido, 50% fica na comunidade para ser distribuído entre escolas e famílias em situação de risco nutricional e a outra metade é vendida a preços populares, gerando renda adicional. Os preços: o pé de alface orgânico não chega a R$1,00.



Cooperativa do Vale Encantado, no Alto da Boa Vista, citados pelo Guia Slow Food e já presentes por aqui em outras postagens, até pelas questões de posse da terra, que renderam. Vá conhecer essa comunidade com aspectos ainda quilombolas em meio ao verde e cachoeiras com produção agroflorestal de alimentos orgânicos. O eco-passeio guiado ainda oferece um café da manhã da roça no local.



Desapegue-se, evento mensal no Grajaú (outro sub-bairro), promove além da Feira de Orgânicos, feira de trocas, oficinas de reciclagem e arte, coleta de óleo de cozinha para futura reciclagem, bibliotecas livres, oficinas de suco verde, compostagem, alimentação natural, horta urbana e até meditações coletivas. É um evento imperdível que leva o dia todo e na postagem linkada abaixo em "Mais informação", você poderá encontrar mais informação e fotos de quando lá estive. Indo ao Grajaú, não deixe de conhecer o Parque Estadual do Grajaú e comer os pastéis do Bar do Adão, é claro.










O SESC Tijuca, na Barão de Mesquita (altura de Rua Amaral - quase em outro sub-bairro, o Andaraí) promove todo terceiro domingo do mês uma feira de trocas e venda de orgânicos debaixo de uma frondosa tamarineira. Nunca fui por ser distante de minha casa, mas o local e programa valem a tentativa, estive nessa unidade do Sesc quando de uma oficina da Sociedade do Sol e achei tudo muito bonito, uma construção parcialmente moderna que aproveita uma antiga casa de fazenda em cima de uma pedreira. 









Uma coisa que as pessoas não sabem é que quase todos os templos da Igreja Messiânica Mundial, os Johrei Centers, oferecem uma feirinha orgânica semanal. A Igreja Messiânica Mundial é uma religião japonesa que acredita na cura do espírito pelo Johrei (a oração silenciosa via imposição de mãos característica deles), da mente pela arte e na cura do corpo pela alimentação natural. Seu fundador e mentor, Mokiti Okada que, quando ascendeu, recebeu o nome religioso de Meishu Sama, escreveu verdadeiros tratados de agricultura biológica e orgânica numa linha que foi chamada de "agricultura natural"A Korin, empresa de orgânicos tão querida e citada nesse blog modesto, é uma empresa da Fundação Mokiti Okada, que pertence à Igreja Messiânica Mundial. A Fundação leva o nome civil de Meishu Sama justamente para desvincular os dois assuntos, o sagrado do mundano.
A Fundação Mokiti Okada é inclusive uma das certificadoras nacional de procedência orgânica. 

Korin, maior produtora de frangos, ovos e produtos orgânicos do país, tem uma loja oficial no bairro, Rua Carlos de Vasconcelos 152, 2568-7899Vendem de tudo na linha, de picanha e tilápia aos aceleradores de compostagem e fertilizantes naturais, além de todos os produtos naturais que você possa imaginar.

O mapa de Johrei Centers em todo mundo, está no site oficial da Igreja Messiânica Mundial, por país, estado e cidade, muito amigável de se localizar.




Na Tijuca existem 3 Igrejas Messiânicas (Rua Felipe Camarão, Rua Itacuruçá e Rua Melo Mattos), além de 1 Igreja no Andaraí, pelo menos outras 2 no Grajaú (incluindo a grande sede regional) e outra no Rio Comprido (mais um sub-bairro tijucano).  Quem for observador, poderá notar que as únicas feiras orgânicas no subúrbio são justamente as dos Johrei Centers.

Claro que morando na Tijuca, fui à Feira de Orgânicos do Johrei Center Itacuruçá e lá recebida por Lúcia Pacheco, que além de me atender com simpatia ímpar, também me deu uma receita ótima: bater a couve no liquidificador e congelar em cubas de gelo, para usar esses cubinhos nos sucos verdes diariamente sem perda dos nutrientes da couve. Muito prático, uma forma de manter a couve crua, que estraga em 3 dias mesmo na geladeira.






O Centro Holístico e de Cura localizado à Alm. Gavião 55 oferece Feira Orgânica todo sábado o dia todo. 






No Supermercado Pão de Açúcar do outro lado da Praça Afonso Pena e nos Hipermercados Extra também encontram-se orgânicos à venda, assim como as muitas lojinhas de produtos naturais e estabelecimentos do tipo hortifruti - mas é mais caro. Assim mesmo, listei as lojinhas e hortifrutis, justamente para que meus novos vizinhos tenham sempre opção de orgânico.
Um dos Hipermercados Extra do Bairro merece nota, está instalado na antiga fábrica de tecidos Confiança, o Boulevard de Vila Isabel. A prática de reaproveitar edificações antigas num país onde tudo é posto abaixo  em questão de horas, está detalhada com fotos na postagem sobre fábricas antigas injustamente demolidas.

Em todos os supermercados da Rede Extra e Pão de Açúcar, encontram-se pontos de coleta de reciclados.

























As lojas de produtos naturais e hortifrutis que vendem orgânicos:

Loja Oficial da Korin Tijuca, Rua Carlos de Vasconcelos 152 (ao lado do Shopping 45), 2568-7899. Vendem de tudo na linha, de picanha e tilápia aos aceleradores de compostagem e fertilizantes naturais, além de todos os produtos naturais que você possa imaginar

ISEO, Rua Carlos de Vasconcelos 125, 21 2204-4200 / 2264-5707. Vendem umas coisinhas diferentes, que não se encontra fácil, como espaguete de farinha de grão de bico sem glúten.

Própolis Produtos Naturais, Rua Conde de Bonfim 722, com feira semanal de orgânicos às quintas.

Chá Verde, Rua Conde de Bonfim 648, 21 2238-6909. A primeira foto acima, das hortaliças, é de lá.


Naturalmente Orgânicos, Rua Conde de Bonfim 66, 21 2567-0579

Os picolés orgânicos de maracujá com couve e batata doce com beterraba (sucos verdes!) são deles. Promovem feira orgânica 3 vezes por semana, enviam o conteúdo por email e aceitam encomenda de reserva. Vendem também iogurte, queijo e manteiga orgânica a preço de mercado.

A franquia Hortifruti com suas lojas imensas e maravilhosas cheias de frutas exóticas.

Global Hortifruti, Rua Mariz e Barros 554 (tem um clima de delicatessen também, é uma tentação)




Não são orgânicos, mas valem a visita sempre:

Dona Maria, feirante da Feira (convencional) da Rua Gonçalvez Crespo aos domingos. Sua barraca é a mais animada desde minha primeira moradia no bairro, há 6 anos. Sou muito fã de Dona Maria, portuguesa com sotaque, que faz uns doces de arrepiar e dá provinhas de tudo (vá de barriga vazia). Hoje, vende também queijos e embutidos do interior de Minas. Mais um caso de "pode levar de tudo que é sempre bom". Atende encomenda e distribui seus cartõezinhos "Barraca de frutas e doces Mãe e Filho, direção Silvio e D. Maria, 7819-6714 / 9281-1312"
Essa feira merece outra nota, é a única que já vi com pastel de queijo de Minas, uma raridade nesse mar de mussarela vagabunda e oleosa que nos empurram pela goela.

























Nessa mesma feira de domingo, outra portuguesa de olhos azuis arrasa com seus Pastéis de Belém em nata e bacalhau à moda da terrinha. A barraca mais chique da feira.
Para quem pensa que pastel é uma massa frita cheia de recheio duvidoso, veja que em Portugal parecem tartelletes de massa folhada e no caso de de bacalhau, cada um traz uma azeitona descaroçada. Divinos e baratos.
Para levar um monte e passar a semana comendo.






Seu Alex, o vendedor de cupuaçu da Feira (convencional) da Rua Professor Gabizo às quintas - foi nessa feira que descolei meus caixotes que virariam os móveis daqui de casa.
Ele vende pouca coisa, água de coco, mel de abelhas, sal com sete temperos (bom, comprei há alguns anos e durou muito), sucos e sacolés de frutas exóticas e claro, imensos cupuaçus trazidos de Magé, uma cidade próxima.
Vende a polpa ensacada, R$15,00 o quilo, ou abre o cupuaçu à tesoura na sua frente e retira a polpa.
Vale a pena levar, 1 kg de polpa de cupuaçu dura muito, rendeu um sorvete de mais de 2 litros.
Atende encomenda, 21 9364-2653 / 2659-5676






Os kibes, esfirras, doces árabes caseiros e sanduíches veganos de falafel. Das barraquinhas dos muitos imigrantes sírios espalhadas pelo bairro todo.











A melhor comidinha: do Camaleão Café, na Rua Dr. Satamini, restaurante membro do Circuito de Restaurantes Orgânicos do Rio. Música ambiente boa, fotos em preto e branco nas paredes, casa antiga restaurada. E a comida, além de ótima, é a quilo.







O bistrô imperdível: Forneria Santa Filomena, na Praça da Bandeira, vizinho de 2 bares badalados citados no Guia Slow Food (Aconchego Carioca  e Bar da Frente), esse pequeno restaurante charmoso é, se não o melhor do bairro, dos melhores do Rio.
Servem refrigerantes e pães caseiros, feitos por eles, levinhos. Casa antiga restaurada, decoração moderna, música ambiente ótima e servem em pratos e travessas de ágata, um charme.
Não deixe de entrar no site deles linkado acima e babar pelas marmitas chiques. Lá, tudo é muito bom, bem feito, diferente e a preço justo.


O japonês chiqueMitsuba, Esquina de São Francisco Xavier com Benevuto Berna.


O português chique com adegaRampinha, na Praça da Bandeira



Os portugueses populares para comer bem e muito, sem frescura: 
"Umas e ostras", no entroncamento da Santa Sofia com Barão de Mesquita
"Rei do Bacalhau" na Praça Xavier de Brito
"Fernando's" na esquina de Major Ávila com Rua Babilônia, intitulado "o melhor bacalhau e lula do Rio". 
Na mesma linha, o consagrado "Siri", na esquina da Rua dos Artistas com Alm. João Cândido Brasil.








O único restaurante do Rio que não vende outra coisa a não ser cuscuz paulista em farinha de milho: Cuscuz Amado, na Rua Uruguai



Os clássicos que têm que ser visitados

Salete (Rua Afonso Pena), "desde 1956 a melhor empada e risoto do rio" - decoração de boteco com parede azulejada decorada com centenas de artigos elogiosos emoldurados. E uma empada divina, de comer em pé com barriga no balcão.

O restaurante da Associação Cultural Chinesa (Rua Gonçalves Crespo) com seu lindo e imenso pagode chinês em vermelho e dourado.


Otto, prata da casa, com os tradicionais festivais anuais de fondue, carnes raras e palmito assado.


As pizzarias chiques de massa fininha com recheios diferentesTurino e FiorinoO Turino ainda tem uma déli e lanchonete com produtos feitos por eles a preço de balcão.







Os pés sujos onde se come divinamente (os 4 primeiros participam do Comida di Buteco):
Bar Varnhagen (ou Bar da família da D.Maria portuguesa), Pça Varnhagen com R. Jaceguai, também citado no filme Boteco (linkado)
Bar do bode cheiroso , Rua Gal. Canabarro
Bar do Momo, Uruguai com Gal. Espírito Santo Cardoso
Bar da Gema, Rua Barão de Mesquita
Bar do Chico's, Gal Canabarro 119. A melhor relação custo x benefício em qualquer tiragosto, o favorito de quem vai assistir jogo no Maracanã.
Boteco do Peixe, na Rua do Matoso 7, Praça da Bandeira. O cardápio deles ao lado fala por mim. Vou sempre que posso e é divino.





A barraca de caldos: Caldos da Nega na Pracinha do Rio Comprido, citados pelo Guia Carioca de Gastronomia de Rua


Os acarajés de rua: num carrinho chique de aço inox em frente à Galeria do 422 da Conde de Bonfim e na barraca da Feirinha da Praça Saens Peña às sextas e sábados. Ambos limpíssimos


Empório a granel: Casa Pedro, com 4 lojas no bairro e outra em Vila Isabel.
Esse blog adora um empório a granel e tem uma postagem específica sobre o assunto. Quem quiser se aprofundar, basta digitar "granel" na ferramenta de busca interna para ver a quantidade de postagens sugerindo esse tipo de compra.
Ainda sobre granel, na mesma postagem, são sugeridos alguns mercados orientais no meu antigo bairro, o Flamengo. Pois aqui na Tijuca também tem mercearia coreana (ou mercado chino) com toda aquela infinidade de produtos, louças, ervas e congelados impronunciáveis.
Eu adoro, para mim é como uma ida à Miami: Mercearia UNLONG, Conde de Bonfim 519 e Mercearia Meisim, Barão de Mesquita 456


As padarias antigas maravilhosas que tem tudoSanta Marta, há mais de 60 anos na Praça Saenz Peña, Rua Carlos Vasconcelos, 156 e Padaria Elba, há 70 anos na Esquina da Conde de Bonfim com José Higino.


As padarias sofisticadas com pães de inspiração francesa, rústicos e de fermentação naturalPão&Cia, com outras lojas em bairro nobres e a Casa do Pão, Rua Conde de Bonfim 302

Outras padarias incríveis de bairro com serviço de Déli, cervejas importadas e até açougueSanta Rita de Cássia e Tijuca Mix


As melhores queijarias com tudo de deli e da fazenda que amamos:
Queijeiro da Muda, Rua Cde Bonfim 758
Laticínios Nebel, Rua Cde Bonfim 35



As Casas italianas de massas frescas caseiras com déli:
Dorem, desde 1952, na Rua 28 de setembro 257, Vila Isabel
Pane&Vino, Rua Conde de Bonfim 518, Tijuca


Fábrica de BrowniesBrownie do Luiz, Praça da Bandeira


Hareburger, a hamburgueria vegana carioca, que começou como um negócio de praia e tem nomes únicos. Na Santo Afonso, altura da Praça Saenz Peña.


O café em pé com a barriga no balcãoPalheta, quiosques dentro das Drogarias Venâncio (Rua General Roca e Conde de Bonfim, ambas em frente à saída do metrô Saenz Peña)



detalhe do interior da FARMÁCIA HOMEOPÁTICA SIMÕES, rua Pereira de Almeida 100, na Tijuca, foto de Eduardo Goldenberg




A Pharmácia Homeopática:  Clínica Médica e Homeopática Simões, na Praça da Bandeira. Para entender o porquê do meu xodó, preste atenção na foto e entre no site.










Universidades e Centros Culturais: vou me ater às 3 Universidades Públicas com seus auditórios, centros culturais e de pesquisa: UERJ, Uni-Rio (Gafrée) e Cefet. 
Para a programação mensal de música clássica e recitais, que podem ser nas Universidades, Museus ou Igrejas, veja: Guia Viva Música

Para exposições de artes-plásticas, o jornal diário, mas na UERJ sempre tem alguma coisa, até por comportar uma galeria com exposições itinerantes e 2 teatros pródigos em programação gratuita.


O teatro de vanguarda: Ziembiski, inaugurado por Walmor Chagas e com direito à movimento de resistência cultural. Mas observe que a UERJ também tem 2 teatros com intensa programação gratuita.



Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeirona José Higino, sempre recebem alguma companhia de dança.


Centro de Referência da Música Carioca - no Palacete Garibaldi da Conde de Bonfim, com página no Face, que eu curto, e intensa programação de shows e recitais gratuitos em auditório próprio.


Os museus: Museu do Açude (Alto da Boa Vista) e em São Cristóvão: Museu de Astronomia (MAST), Quinta da Boa Vista e Museu do Primeiro Reinado na Casa da Marquesa de Santos.



A locadora cult: Vídeo 142, trabalham com tudo, mas também têm os clássicos e raros que não se encontram na Blockbuster



A livraria cult: Casa Verde - Capital das Letras Livraria, numa das ruas mais bonitas do bairro, a Jurupari. Promovem encontros e seminários.


As bibliotecas públicas, ambas em casas antigas em ruas sem saída estritamente com casas:
Biblioteca Popular Municipal da Tijuca Marques de RebeloRua Gapeni 61
Biblioteca Popular Municipal do Rio Comprido Aluísio de Azevedo, Travessa Nestor Vítor 64



Os sebos: felizmente muitos, mas destaco a Babel Livros na Praça da Bandeira, com leilão de livros raros
A banca de livros da Major Ávila (a rua das flores) funciona 24hrs, assim como as barracas de flores anexas. 
A barraca da Praça São Francisco Xavier (estação de metrô) havia fechado mas reabriu!
A Praça Saenz Peña (estação de metrô) também tem feiras semanais de vendas de livros usados organizadas pela Associação Brasileira do Livro.
A banca de livros usados na Rua Dezoito de Outubro traz uma mensagem interessante 
- Face + Book 





Espaço Ciência Viva, educação e divulgação da ciência para crianças de todas as idades. Na Heitor Beltrão, perto da Praça Saenz Peña. Funcionam também como ponto de captação de óleo para reciclagem.



Oi Futuro Nave, centro de educação e tecnologia voltado para capacitação de estudantes nas áreas de formação digital.


Lojas de instrumentos musicais: muitas, das clássicas ao batuque, além de inúmeras escolas de formação.


Deixo um link de destacar para quem curte uma batera: Instituto de Bateria Bateras Beat com unidades no mundo todo, mas na Rua Comandante Prat também, em casa antiga restaurada.




Os blocos e bandas: centenas graças a Deus, já calhou de eu ir direto emendando de um para o outro para desespero da amiga que me acompanhava exausta. Grajaú e Vila Isabel também arrasam nesse sentido, a Vila é terra do grande Noel Rosa inclusive.
Até na Muda (outro sub-bairro) tem bloco! O "Nem Muda nem sai de cima". 




As grandes escolas de samba com ensaios semanais e feijoadas o ano todo
Estação Primeira de Mangueira
Acadêmicos do Salgueiro
GRES  Estácio de Sá
Unidos de Vila Isabel,
Unidos da Tijuca,
Império da Tijuca e
GRES Paraíso do Tuiuti


O "sambão" de raizClube Renascença, Rua Barão de São Francisco 54, Andaraí.


Os clubes de rock Calabouço Heavy Rock Bar e o Heavy Duty Beer Club


O quarteto de jazz que se apresenta gratuitamente toda semana: All Brazz Quarteto


E a banca de jornais da foto abaixo, convertida em sebo de LP´s, na esquina da Campos Salles com Mariz e Barros, de frente para uma loja de artigos de skate incrível, que também vai ser indicada, a SK8 Rock (a foto abaixo não é minha, foi retirada da internet)





O espaço incrível e gratuito com oficinas em tudo que for artístico (fotografia, cerâmica, aquarela, dança africana, de salão, do ventre, forró, yoga, taichi, canto, percussão...), COART UERJ na Universidade pública homônima.


Escola Nacional de Circo, a única do país, com rigorosa prova de admissão e administrada pela Funarte, na Praça da Bandeira


Formação em Ballet: ARRJ, parceira do teatro Municipal do Rio de Janeiro, São Francisco Xavier 194 (sobrado antigo) e o Conservatório Brasileiro de Dança (casa antiga), Alm. Cochrane 85


Aikidô: Ganseki Dojo Aikido


Krav Magá Tradicional: Clube Monte Sinai


Taekwondo tradicional: Kwan Artes Marciais


Karatê Honbu Dojo, Rua Félix da Cunha 65



Kung Fu, AABB


Boxe clássico: Delfim Escola de Boxe


Prática de Arco e FlexaClube Municipal


Piscina Pública com natação e aulas de hidroginástica gratuitas: Parque Aquático Júlio Delamare, Estádio do Maracanã. Basta ser morador do bairro e ter exame médico em dia, piscina olímpica de padrão internacional e plataforma de saltos ornamentais com direito à arquibancada do Maraca. Incrível, eu nado lá.
Postagem sobre os desdobramentos da Copa: Os Parques Aquáticos Júlio De Lamare e Maria Lenk"


Natação Particular: Arte de Nadar, 21 2264-9072, funcionam numa casa antiga quase na Praça da Bandeira. Como nadei por 20 anos, fui visitar para ver preços, matrícula, etc. Fui atendida por uma família, pai e filho. O pai, um senhor de mais de 70 anos, ao ver meu interesse na casa, pôs a mão no meu ombro e começou a mostrar "Carolina, essa janela tem 110 anos".
A casa é original, adaptada para a escola. Eles construíram uma piscina semi-olímpica no segundo andar de um sobrado colonial, mantendo a estrutura original. É a minha definição de paraíso: uma um sobrado colonial tombado com uma piscina semi-olímpica coberta dentro de casa.



Dança de salão: Luiz Valença, também funciona em outra casa antiga restaurada, promovem bailes abertos semanais que lotam.


Escola de FilosofiaNova AcrópoleTambém funcionam numa casa antiga num quadrilátero de ruas formado só por casas preservadas.


Grupo aberto de Meditação Cristã, Igreja dos Capuchinos (Rua Haddock Lobo), toda quarta às 18hrs.


Refeitório vegan e lactovegetariano com delivery de comidaMissão Prabhupada Vani, Rua Felipe Camarão 140
O PF deles é imenso, cheio de acompanhamentos e entradas, inclui duas bebidas, o refresco do dia e uma inacreditável caipihare não alcóolica fortíssima no gengibre.
























As boas comprinhas e os achados dos shoppings:

Budha Khe Rhi, loja de camisetas e roupas com tecidos ecológicos e em algodão orgânico, é franquia e fica no Shopping Tijuca, mas não tem igual.


Ana Capri, loja de calçados modernos e a preços justos 100% sintéticos em materiais alternativos, como o PU. No Shopping Tijuca.

Os macarons, eclairs, chocolates e sorvetes franceses de patissérie com ingredientes DOC: Paradis Délices FrançaisDe novo, fica no Shopping Tijuca, mas não tem igual. 
Informação básica: seu fundador comandou o restaurante da Maison Dior em Paris, precisa mais?

Lindt ChocolatesNShopping Tijuca.

L´Entrecot de Paris, o badalado restaurante que só vende praticamente bife com batata frita gourmet, o steak paris aux frites. E que todo mundo ama. NShopping Tijuca.

Restaurante Da Silva. A comida do melhor restaurante do Rio, o Antiquarius,  só que a quilo e quase pelo preço de um combo familiar. No Shopping Tijuca.






Duas vidraçarias revendem arte, a Bel Vidros na Mariz e Barros 553 é o único estabelecimento que revende os quadros do pintor Alexandre Santiago e a Vidro Ledo na Conde de Bonfim 725 revende outros pintores e Escola Cuzqueña (ao lado).









Food Park Carioca, um espaço muito legal, apenas food trucks fixos. No imenso estacionamento a céu aberto do Hipermercado Extra da Mariz e Barros. Mesas em bobinas, sofás em pallets e banheiros em contêiner. Nos finais de semana, tem cuidador com piscina de bolas para as crianças e telão para assistir aos jogos (foto da página deles no facebook).












Espaço Livros Livres, um espaço aberto e gratuito onde você pega o livro que quiser, devolve quando e se quiser. Basta deixar outro no lugar. No Shopping Iguatemi em Vila Isabel.













A loja de artigos esportivos imensa, quase um shopping, com parede de escalada: Hawaii Sports, vendem Nike, Puma, Adidas e afins, o que não é o foco aqui, mas a parede de escalada me conquistou.



Camisas de bandas de rock, Club do Rockquiosque no segundo andar do Shopping 45










Camisetas em malha de fibra de bambu, da Respire. Na sapataria Pele Rara da Cde. de Bonfim 289, que ironicamente só vende calçados em couro.











Pharmácia Granado, na loja tradicional e centenária da Praça Saenz Peña. A Granado não testa seus produtos em animais e já apareceu aqui em outras postagens. Tudo da Granado é maravilhoso, eu sempre presenteio com os produtos deles. (foto da internet)






Flores em material reciclado, feitas por uma nonagenária há meio século, a Flores Cariocas. Também vendem enfeites de cabelo em couro reciclado dos retalhos de grandes confecções. Como não uso nada em couro, fiquei nas flores. Escolhi as do pessegueiro no galho de madeira da própria árvore. São um presente lindo e barato, o ramalhete lá de casa saiu por R$25,00.





















Coletivo de Moda, Decoração e Presentes tocado pelos próprios criadores, com comidinhas, oficina de fotografia e tatuagem: Coletivo Casa Amarela, na charmosa Rua Babilônia.




Toalhas, colchas, caminhos de mesa, jogos americanos e o convencional em bordado nordestino: a tradicional barraca na esquina da Afonso Pena com Dr. Satamini (na calçada em frente a da pizzaria Sol Nascente). Você encontra esse trabalho em muitas barracas de feiras livres e de moda, mas ela vende muito mais em conta e diariamente no mesmo local. Aceita encomenda, entrega em casa e negocia se em quantidade.















Os brechós: centenas, dos "poeira" aos classudos. Os melhores: 
Bazar de Caridade da Igreja dos Capuchinos, diariamente na própria Igreja, Rua Haddock Lobo
Bazar de Caridade da Basílica de Santa Terezinha, às quartas na própria igreja, Rua Mariz e Barros
Bazar de Caridade da Casa Ronald Mac Donald (Rua Pedro Guedes, outra rua só de casas antigas); 
Bazar de Caridade das Senhoras Israelitas (Rua Afonso Pena 171); 
Bazar de Caridade da Igreja Presbiteriana (Rua Alzira Brandão) e
Bazar de Caridade da Irmandade Espiritualista Verdade Eterna "IEVE" (Rua Teixeira Soares, Praça da Bandeira) - a "IEVE" também tem um restaurante vegetariano com prato feito diário bem em conta.
Professor Gabizo 286 - brechó e antiquário tocado por 3 irmãs numa linda casa antiga de rua, eu morei no andar de cima dessa casa. Aparecem aqui no blog em postagens linkadas abaixo;
Brechó do Casarão com oficina de costura Balaio de Panos, Rua Haddock Lobo
Abapha VintagePop, a barraca mais transada do mundo na foto abaixo. Presente em quase todas as feiras de moda itinerantes da cidade. Só brechó multimarcas muito garimpado. A dona, Flávia, é muito simpática e atende em casa para consultoria de moda. Outra atração do bairro que ganhou postagem exclusiva linkada







casa antiga mais bonita: Escolha dificílima num bairro com ruas inteiras preservadas, mas meus votos vão para o Clube Português "Casa da Vila da Feira e Terras de Santa Maria", cuja sede funciona numa casa de 1816 inteiramente conservada. Rua Haddock Lobo 195.
O bairro por sinal é pródigo em clubes portugueses, deve haver pelo menos uma dúzia. Os nomes são ótimos (inspiram sotaque de piada) e todos servem Cozido e Feijoada nos finais de semana - justamente as minhas comidas favoritas.
A Casa do Chalaça, conselheiro de D. Pedro I, também é linda e inteiramente conservada. Na Gal. Canabarro em frente ao IBGE, uma casa rosa imensa onde hoje é um batalhão militar.
A casa do Centro Espírita Discípulos de Jesus, na esquina de Félix da Cunha com Barão de Itapagipe 
A sede da Capital das Letras, na Barão de Mesquita 123, uma antiga sede de fazenda.


Um hostel em contêiner: Arena Maracanã, link de postagem daqui.


Adoção de animais abandonados: Abrigo Sozed, no Rio Comprido
Essa blogueira adotou 3 vira-latas abandonados e não quer outra vida, adote um cão e entenda o significado da expressão "amor incondicional". A Sozed também aparece aqui no blog em dezenas de postagens, o buscador ajuda.



Para doar sangueHospital Grafrée Guinle (Rua Mariz e Barros), Hospital Universitário Pedro Ernesto (UERJ), INCA (Vila Isabel) e Hospital da Ordem Terceira (Alto da Boa Vista).
Veja mais no link abaixo os pontos de doação de sangue na cidade.











iniciativa urbanaFlores da Vasconcelosum grupo de vizinhos que se uniu para algo simples: encher a vizinhança de flores.


















A intervenção urbana: sacos de lixo presos a garrafas reaproveitadas, para não deixar fezes de animais de estimação pelas ruas.










Ninhos de Livros, você deixa o livro que não quer mais e pega outro, se gostar. Nas Pças. Saenz Peña e Vargnagen











A maior Floresta Urbana do Mundo: Floresta da Tijuca. A Floresta aparece na postagem da Pedra Bonita linkada mais abaixo, não deixe de conhecer, é um lugar incrível com pelo menos meia dúzia de cachoeiras e mutirões quase que diários de reflorestamento. 




Santuários católicos cercados de muito verde. Lugares idílicos e muito vastos, com suas festas e romarias à moda das cidades pequenas: Santuário de Nossa Senhora das Graças da Medalha Milagrosa, Rua Dr. Satamini. Santuário de Nossa Senhora dos Anjos, Colégio dos Santos Anjos, Rua Dezoito de Outubro.




Curiosidade sustentável do bairro: a notícia "verde" de hoje foi o lançamento de uma escova de dentes biodegradável, a primeira brasileira, tecnologia 100% nacional digna de todos os méritos. Lendo a reportagem, vi que o dentista que a desenvolveu, Dr. Veit, tem seu famoso consultório numa casa na Tijuca, à Rua Melo Matos.




Mais informação:
CADEG
Desapegue-se
Boteco, o filme
Abapha VintagePop
Guia Carioca Slow Food
Come-se pelas ruas da Tijuca
O hostel em contêiner do Maracanã
Pontos de doação de sangue no Rio
Acordei 1hr mais cedo e subi a Pedra Bonita
O projeto de aquecimento solar na Mangueira
Os Parques Aquáticos Júlio De Lamare e Maria Lenk
2 fábricas antigas, que deveriam ter sido tombadas, mas foram postas abaixo
Apresentando um catador da Amazônia ao restaurador de São Cristóvão e morando em cima de um antiquário e brechó no Maracanã

22 comentários:

sylribeiro disse...

Sensacional Carol!!

flor da pele disse...

Parabéns Carol pela maravilhosa pesquisa sobre um bairro repleto de opções saudáveis, diferenciadas e tão pouco divulgadas.
Abraços,
Sonia.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi meninas, esqueci um monte de coisa, até os canhões do Colégio Militar. Já atualizei a postagem.

Sônia, seus sabonetes também são das ótimas coisas do bairro. Não vejo a hr de comprar uma pilha!

Ana Bolena disse...

Que post sensacional! Moro no Grajaú e sei bem que coisas muito interessantes existem na "grande tijuca", uma pena que nem sempre divulgadas.

Super parabéns pela iniciativa!

Camila Wildberger Lisboa disse...

Parabens Carol!!

O beijo no padeiro também está concorrendo na categoria Saúde.

Se puder dar uma força, ficarei muito feliz!

Grande abraço!

www.beijonopadeiro.com

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Valeu, Camila!
Acabei de votar-confirmar o "beijo" .


Ana e demais, se puderem votar direto agora na reta final, essa blogueira agradece de coração :-)

As votações encerram em 10/11 às 14hrs. Você pode votar de quantos emails quiser.

Para votar, basta clicar no link abaixo, esperar a janela abrir, digitar nome e email no espaço indicado e então, posteriormente, confirmar seu voto pela mensagem de confirmação recebida:

http://www.topblog.com.br/2012/index.php?pg=busca&c_b=19130455


bjs

Anônimo disse...

Gente, maravilha esse Guia de Vida Saudável! É opção pra ninguém botar defeito.
Eu, no interior de Sampa, vou aos domingos numa feirinha em S.Roque ao longo da Raposo onde os produtores comercializam seu plantados. Bem legal, verduras, legumes, cereais, mel, doces, e, claro, pastel, mas não é orgânico. Quem resiste! E uma dica: folhas de nabo comprido, secas de preferência, junto a inhame ralado, é excelente pra banho de assento pra inflamações internas de ovário. Eu mesma já usufrui do benefício. Bjs
Ana - Araça

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Ana, que maravilha sua feira!
Esses eventos são uma delícia, dá vontade de passar o dia todo :-)

Como se faz esse assento? Vc se incomoda de fazer um passo a passo? Nunca fiz assento de nada, não tenho a menor idéia e queria saber melhor. Leva água numa bacia?

abs,
Carol

Anônimo disse...

Ferver as folhas de nabo junto com inhame ralado. Assim que ferver coar numa bacia e se conseguir ficar de cócoras sobre (eu aguento um tempinho) até a água ficar numa temperatura suportavel pra entrar nela e estar até amornar. Eu fiz, qdo precisei, às sextas porque no sábado levantava + tarde e não me expunha a friagem. Durante uns 2 meses. Acabei com meu problema. Em livros de medicina alternativa encontra-se expicações + detalhadas.
Bjs - Ana Araça

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Engraçado a combinação de nabo com inhame, os dois "picam", "espetam"...
Existe um emplastro de inhame ralado com gengibre, justamente para puxar o que não quer sair, como tumores e cistos. Deve ter alguma coisa a ver.
Talvez a taioba, que pica ainda mais, tb tenha sua função.

Adorei a dica, valeu mesmo :-)

Rodrigo Melo disse...

Oi, sabe me dizer o dia da feira na messiânica da felipe camarão e da itacuruçá?

Valeu!

Ótimo blog!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Rodrigo,
na Felipe Camarão eu não sei.
Na Itacuruçã, que eu me lembre, é às terças e sábados.

Te deixo o link do mapa nacional de Igrejas Messiânicas no BR, assim vc pode ligar para as unidades e verificar pessoalmente:

http://www.messianica.org.br/messianica/Paginas/Visite-nos.aspx


Mas existem lojas que tb vendem pelo bairro e até uma feira orgânica na Afonso Pena, as dicas estão no corpo da postagem.

abs,
Carol

Anônimo disse...

Ola Carol,
Estou me mudando da zona sul para o Grajaú e confesso que estava um pouco apavorada achando que não acharia meus orgânicos e etc... Mas seu post ARRASOU e já estou encantada com meu novo bairro!!! Que legal!
Sou professora, trabalho numa escola muito especial na zona sul e tenho um filho de 2 anos, gostaria de trabalhar la pelo grajau e que ele frequentasse a mesma escola, claro, você teria alguma ideia para nos dar? Claro que penso em uma filosofia ecológica e alternativa.... Se souber de algo para recomendar ficaria muuuuito grata.
obrigada e viva nossa zona norte!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi, não sei... Mas uma amiga é professora e mora no bairro, vou perguntar a ela por email e te respondo depois.
Eu gosto muito do Grajaú tb, tem um clima de cidade pequena insubstituível no RJ. Para criança é sensacional.
Abs,
Carol

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

A escola alternativa: http://www.ogamita.com.br/

(indicação de uma amiga com filhos)

Boa sorte!

~~ Carol Farias ~~ disse...

Carol... simplesmente amei seu blog!!! Vou vir aqui sempre ler sua dica. E amanhã mesmo pretendo ir na feirinha de orgânicos que você indicou. Tenho muitas semelhanças com você!!!

monica guerra rocha disse...

Amei! Muito grata pelo post,acabei de me mudar pra tijuca,vinda do flamengo e e maravilhoso ver quanta opcao boa pra ter uma rotina diaria saudavel por aqui! Pra n falar q finalmente sai de apartamento para casa d vila...n vejo a hora d comecar a plantar os meus organicos :) podias organizar um tour pelo bairro! Ia ser maior sucesso! Beijo!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Monica, vc tb veio do Flamengo pra Tijuca e saiu de um apto p uma casa de vila? Foi o que aconteceu comigo...
Deixei linkada na postagem uma outra publicação daqui chamada "Come-se pelas ruas da Tijuca" com algumas frutíferas que fotografei pelo bairro, que é muito arborizado.
Tb estou adorando tudo.
Bjs,
Carol

Anônimo disse...

Parabéns pelo blog! Volto à Tijuca depois de 25 anos e embora a postagem seja de 2012 já copiei vários endereços úteis. Você poderia me dizer se as aulas de hidroginástica no Estádio Júlio de Lamare ainda existem? Obrigada!

Angela

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Angela, o Parque Aquático Júlio De La Mare estava fechado da última vez que passei por lá. Há uma postagem específica aqui no blog sobre ele.
Abs

Maria Lucia Fonceca disse...

Muito Bom! Faço uma Feirinha orgânica na R. Almirante Gavião,55 e que também tem lanches veganos. Te convido para conhecer, é novidade na Tijuca.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Maria Lúcia, já fui conhecer e as fotos já estão disponíveis acima. Obrigada pela dica. Um abraço