domingo, 4 de dezembro de 2011

Eu bebo sim!



Bebidas de festa, para celebrar em qualquer época do ano.

A maioria das pessoas não sabe, mas toda bebida pronta (mesmo orgânica) é crime de hidropirataria pois cada litro dessa bebida industrializada consome outros 5lts de água dos lençóis freáticos da região onde a fábrica se instalou.
Onde hoje há uma fábrica de refrigerantes, amanhã haverá uma área desertificada.
O produtor vende e lucra com a água das nascentes da região e retira suas instalações, quando aquela mesma região não interessa mais.
À população local sobra o desemprego, já que a fábrica foi embora, e um terreno erodido e desertificado, pois a fábrica vendeu sua água.
Pior, a empresa em questão recebe isenção fiscal para fazer tudo descrito acima, já que é gerador de empregos diretos e indiretos.
Existe inclusive um filme que trata desse escândalo: "Flow, por amor à água" e outro, um curta, muito didático que explica um problema decorrente: "A história da água engarrafada". Ambos imperdíveis, não deixe de assistir.
Aqui no Brasil, Hidropirataria: cachaçaria certificada como orgânica seca lagoa de reserva indígena

Sobre a cerveja... sim, as cervejarias estão acabando com os mananciais das regiões onde se instalam. Eu adoro cerveja, chope principalmente.

O problema sempre é o processo industrial, que massifica a produção.

A solução é recorrer às cervejas artesanais e caseiras, há muitas de qualidade superior. A Bélgica tem tradição, a Alemanha também, em especial as da região da Bavária, onde a cerveja, por ser feita de trigo, é considerada alimento - pão líquido - e pode ser consumida até em jejum, sem problemas com a polícia.

Cerveja já foi bebida medicinal, por ser fermentada e rica em nutrientes, mulheres que amamentavam deviam consumir logo pela manhã, a fim de aumentar a produção de leite. Foi o processo industrial e massificado que transformou uma tradição num produto cheio de produtos químicos e açúcar. Até hoje, os países europeus com tradição na bebida, são obrigados por leis medievais a seguir a fórmula à risca, para evitar que tais equívocos aconteçam.

Gastronomia em grego significa "regras do estômago", se é para se entorpecer (sem julgamentos de valor, sustentabilidade não combina com hipocrisia), que seja com produtos de boa qualidade. O meio ambiente e seu fígado agradecem, o segundo agradece logo no dia seguinte.

Abaixo, seguem algumas receitinhas adaptadas, mas nada impede que você adapte uma receita da sua família e faça o maior sucesso. A foto acima, de muitas capirinhas em infitas versões de frutas tropicais, não me deixa mentir - basta a fruta e a cachaça serem orgânicas e o açúcar substituído por melado ou rapadura. É ainda mais saboroso do que o convencional e olha que eu sou louca por caipirinha - a caipirinha de caju da foto acima inclusive me fez salivar.

Eu beberia os vinhos e champagnes biodinâmicos (ou orgânicos) sugeridos nas receitas abaixo puros e deixaria as sangrias e ponches serem feitos com kefir de suco de uva (roxa ou verde) em fermentação de 15 a 20 dias. Fica alcoólico e é mais barato do que os vinhos. Também deixaria muitas jarras de águas aromatizadas à mão, o pior inimigo da ressaca é a desidratação e muita gente bebe bebida alcóolica por pura sede, tendo outra coisa, fica mais fácil revezar.

Para não dizer que não falei de flores: se beber, não dirija. Entornou e está só? Chame um taxi ou durma no local, o que pode até ser mais interessante.





Limoncello Caseiro, adaptado de receita dos Chefs Erik Nako e Cristiano Lanna
10 limões sicilianos (ou tangerinas, para fazer o brasileiríssimo tangerinello)
1 litros de álcool de cereais 96% ou cachaça orgânica e vodka D.O.C.
800gr de rapadura ralada
1,6 litros de água
4 garrafas de vidro com capacidade de 750ml, vazias e esterelizadas
4 rolhas
Descasque os limões sem machucar, e coloque as cascas num recipiente de vidro que deve bem. Cubra com o álcool de deixe em local escuro por 1 mês para que a infusão pegue a cor e o aroma das cascas.
Faça um xarope com 1lt de água para 500gr de rapadura, ferva e deixe esfriar.
Coe o álcool que ficou reservado por 1 mês.
Dilua o álcool aromatizado com o xarope numa proporção de 250ml de álcool para 500ml de xarope por garrafa. Feche a garrafa com a rolha e deixe no congelador até a hr de servir.


Rosálio, adaptado de receita do Chef Nicola Giorgio
300gr de pétalas de rosas vermelhas cultivadas sem pesticidas
20gr de canela em pau
1/2 litro de álcool etílico 90
700gr de rapadura
250ml de água filtrada
Lave e fatie as pétalas finamente
Macere as pétalas com metade da rapadura. Junte o álcool e a canela em pau.
Coloque tudo em recipiente de vidro bem vedado e deixe no armário escuro por 18 dias.
Faça então um xarope com a água e o restante da rapadura, deixe esfriar.
Junte a infusão que estava descansando e misture bem.
Coloque de volta na garrafa e deixe descansando por mais 15 dias.
Coe o líquido até não sobrar resíduo algum. Deixe a bebida descansar no freezer por mais 1 semana e sirva bem gelado.


Amarula Caseiro, adaptado da querida Badá
1 copo de rapadura ralada
3 copos de leite de amêndoas ou castanha do Pará
2 col. sopa cheias de cacau ou alfarroba em pó
1 copo de vodka e cognac D.O.C. ou cachaça orgânica
Bata 1 copo de leite de amêndoas no liquidificador com o copo de rapadura até atingir ponto de leite condensado. Junte mais rapadura se necessário.
Misture todos os outros ingredientes na coqueteleira até formar um leite grosso e bem achocolatado.
Sirva em copinhos de dose única, shot.



Batida de coco (receita popular adaptada)
500 ml de leite de coco caseiro bem grosso e pedaçudo
2 xíc. de rapadura ralada
100gr de coco ralado (fino)
750ml de pinga cachaça orgânica
250ml de água gelada
Bata o leite de coco no liquidificador com a rapadura até atingir ponto de leite condensado. Junte mais rapadura se necessário.
Junte os demais ingrediente. Bata tudo no liquidificador


Batida de maracujá (receita popular adaptada)
1 xíc. de cachaça orgânica
2 xíc. de polpa de maracujá orgânico
2 xícaras de gelo picado
2 xíc. de rapadura ralada
1 xíc. de leite de coco ou de castanhas coado
Bata o leite de coco no liquidificador com a rapadura até atingir ponto de leite condensado. Junte mais rapadura se necessário.
Junte os demais ingrediente. Bata tudo no liquidificador


Sangria básica, adaptado de receita do Panelinha
(para fazer de vinho branco, use vinho branco biodinâmico ou kefir de suco de uva verde)
3 litros de kefir de uva com fermentação de 15 dias (para ficar mais alcóolico, use o dobro de rapadura e deixe por até 30 dias) ou a mesma quantidade de vinho tinto biodinâmico
2 maçãs ácidas em cubos
1 abacaxi em cubos
2 xíc. de uvas verdes fatiadas e descaroçadas (ou o equivalente em carambolas cortadas em rodelas)
1 limão tahiti ou siciliano em fatias finas
1 xíc. de suco de laranja
1 xíc. de suco de limão galeco
2 doses de cognac D.O.C. ou caçhaça orgânica (ou limoncello caseiro, mas nesse caso retire a xícara de suco de limão galego)
1/2 xíc. de melado ou rapadura


Piña Colada de "Malibu" de kefir (receita minha)
3 litros de kefir de leite de coco caseiro com fermentação de 15 dias (para ficar mais alcóolico, use o dobro de rapadura e deixe por até 30 dias)
2 abacaxis grandes em cubos (esprema as cascas para retirar o suco)
1 xíc. de melado ou rapadura
1 xíc. de cachaça orgânica ou rum D.O.C.


Ponche Colorido, adaptado de receita do Panelinha
1 1/2 xíc. de frutas vermelhas
2 xíc. de carambolas cortadas em rodelas
3 maçãs picadas
2 tangerinas em gomos cortados ao meio
4 xíc. de suco de laranja
2 garrafas de vinho branco biodinâmico (ou kefir de uva verde em fermentação de 15 dias)
2 doses de rum ou cachaça orgânica
2 xíc. de limoncello caseiro
2 xíc. de melado ou rapadura
750 ml de água com gás ou kefir


Ponche de abacaxi em champagne (receita minha)
2 abacaxis grandes em cubos (esprema as cascas para retirar o suco)
2 garrafas de vinho branco ou champagne biodinâmico (ou kefir de uva verde em fermentação de 15 dias)
1 xícara de melado ou rapadura
500ml de água com gás ou kefir


Ponche de vinho branco com especiarias e óleo de coco, adaptado de receita do Chef Felipe Lázaro
2 litro de vinho branco ou kefir de suco de uva verde em fermentação de 15 dias
4 xíc. suco de maçã
1 xíc. suco de laranja
raspas da casca de 1 laranja orgânica (esqueça as raspas se usar frutos de cultivo convencional)
1\4 xíc. melado
2 col. sopa de óleo coco
1 pau canela
1\4 col sob noz moscada
Leve a ferver por 5 minutos o suco de maçã, laranja, melado, óleo, canela, raspas e nos moscada.
Junte o vinho antes de servir
Decore com fatias de limão, uvas verdes fatiadas, paus de canela e rodelas de carambola


Bebida Crioula das Antilhas em coco e abacaxi, adaptada do livro "O melhor da Festa", de Sonia Hirsch
Suco de 1 abacaxi
suco de 1/2 limão
1/2 litro de leite de coco
melado de cana à gosto
raminhos de hortelã, gomos de abacaxi ou mesmo uma raspa de coco para enfeitar
Servir numa jarra com gelo
Deve ficar excelente com um bom rum, mas tem que ser bom, origem controlada.
Não vale o do supermercado em promoção, que todo mundo compra para molhar biscoito de pavê.



Festivas, mas sem álcool (dependendo da "calibragem" do cozinheiro):

Ginger Ale, adaptado de receita da FoodNetwork
1 xíc. de gengibre ralado
1/2 xíc. de sumo de limão galego ou siciliano
1/2 xíc. de rapadura ralada
1/2 xíc. de kefir intensivo com 2 col. sopa das sementes
2 litros de água a temperatura ambiente
1 pitada de sal
folhas de hortelã fresca
Misture tudo e deixe em pote de vidro alto e com tampa por 3 dias.
Depois dos 3 dias, armazene na geladeira
Coe na hora de servir e decore com folhas de hortelã


Chá gelado de romã com especiarias, adaptado de receita do livro de receitas contra o câncer do Mundo Verde
2 litros de água (pode ser feito com 1,5 lts de água e 500ml de água de rosas)
1/2 xícara de melado
2 pedaços de canela em pau
3 cravos da Índia
20 romãs maduras
Ferva a água com o melado e as especirias. Apague o fogo e deixe em infusão.
Esprema as romãs num pilão e junte ao caldo ainda quente.
Deixe esfriar, coe e sirva numa jarra de vidro enfeitada com rodelas de romãs e paus de canela


Refresco de uva com gengibre, adaptado de receita do livro de receitas contra o câncer do Mundo Verde
1 litro de água ou kefir de água
1 xíc. de melado
1 xíc de gengibre fatiado
500ml de suco de uva orgânico
Ferva o melado com o gengibre, deixe dissolver.
Espere esfriar um pouco, junte o suco de uva.
Espere esfriar, junte o kefir e sirva gelado


Aperitivo indiano de gengibre
Gengibre fresco ralado
Água gelada
Sumo de limão
Melado de cana
Misture tudo, coe e sirva em jarras enfeitadas com rodelas de limão e fatias de gengibre. Pode ser feito com caldo de cana no lugar da água com melado, mas compre seu caldo num local bem limpo, para evitar o "suco de barata" usual.


Outras opções:
Delícias geladas
Gazpacho Andaluz
Refrigerante caseiro
Águas aromatizadas
Limonada de limão galego em chá de capim limão
Caipirinha de limão galego com cachaça orgânica e melado de cana


Para as crianças: Refrescos de gelatina caseiraRefrigerante caseiro e Smoothies

Para adultos sem muita vergonha na cara: faça as receitas infantis acima trocando parte da água por cachaça orgânica ou vodka D.O.C. - O primeiro vira aquela caipirinha em gelatina que está na moda pela culinária molecular, mas que os adolescentes americanos já servem em copinho há anos, e o smoothie, outrora tão inocente, vira uma frozen.


Para quentão e vinho quente: Delícias Quentinhas


Mais informação:
Rapadura
Kefir e Iogurte
Leites vegetais x leite animal
Vinhos orgânicos e biodinâmicos
Mel de abelhas x melado de cana
Canela da China x Canela nacional batizada
Hidropirataria: cachaçaria certificada como orgânica seca lagoa de reserva indígena

9 comentários:

Kenia Bahr! disse...

Vc surpreende demais, Carol! Venho buscar no seu blog, desde filmes interessantes até receitinhas naturebas rápidas... e agora, até a cachaçada, como se diz em Minas! ô menina boa de serviço, sô! Beijo grande

Bárbara Machado disse...

Olá Carol, como vai?

Gostaria de lhe escrever um e-mail, mas não encontrei seu contato no blog, podes me passar?

Abraços e obrigada!
Bárbara Machado

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi Kênia,
modestia à parte, eu sou pau pra toda obra. E adoro uma cachacinha, de Salinas (MG) principalmente.
A gente tinha era que se encontrar num "Comida di buteco", ia ficar pequeno...


Oi Bárbara,
escreve para caroldaemon@gmail.com e coloca no subject "contato do blog".

Bjs,
Carol

Kenia Bahr! disse...

Uai, mas é só querer... quando será o próximo? E vc gosta de comida di buteco, com aquela 'carnaiada' de porco mineira toda?

Pra complementar a cachaçada: eu faço Umeshu, já tomou? Licor japonês de ameixa...

Com a receita, pirei e fiz com cambuci, não sei se conhece, uma fruta boa demais da mata atlântica, conheci aqui em Sampa.

Beijo

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Eu adoro comida de botequim, estou para fazer uma série sobre essas iguarias. Retiro as carnes e vou em frente, acordo de cara e barriga menos inchados no dia seguinte ;-)

Me manda essa receita de licor de ume, que vc fez com cambuci, que coisa...

Kenia Bahr! disse...

Menina, peguei uns 10 cambucis inteiros(congelados mesmo, achar frescos não é tão simples)e coloquei de molho por um mês em uma garrafa de saquê (cerca de 700 mL, se não me engano). Pode colocar melado de cana ou rapadura derretida em água e engrossada no fogo, mas eu não coloco nada pq não gosto de bebidas açucaradas. Fica divino!

Quanto às iguarias de boteco, comi nas últimas férias, lá em BH, um tal de jiló empanado... de comer gemendo, como diria nossa querida Sonia. É fritura, tá certo, mas não precisa comer todo dia, né... assim me redimo. E com bastante limão por cima... uau!

Um beijo!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Adoro jiló frito, empanado não conhecia.
Vou tentar essa bebida, com ume ou cambuci, te aviso.
Bjs

Unknown disse...

Por acaso você não consegue uma receita de cachaça com rapadura queimada e canela? Sou gaúcho e tomei em MG, fiquei fissurado.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Oi, dá uma olhada:
https://www.youtube.com/watch?v=QoVCORxJ7H0