sábado, 18 de junho de 2011

Cruzando o deserto verde



Um dos assuntos mais abordados aqui é o equívoco do reflorestamento em eucalipto por milhares de razões: o eucalipto é uma espécie não nativa do Brasil que está dizimando os 7% remanescentes de Mata Atlântica para a produção latifundiária e corporativa de uma monocultura que emprega crianças e trabalho escravo.
A perda de biodiversidade é incalculável e pior, cada pé de eucalipto suga 30lts diários de água do solo. Onde hoje existe uma "fazenda de papel", em alguns anos teremos um deserto.
O custo dessa água não é repassado ao preço final da resma de papel, móvel de MDF, sarrafos de construção civil e todos os derivados industriais do eucalipto, incluindo o papelão certificado FSC do tetrapack (que ao contrário do que dizem, não recicla). Quem paga essa conta é a população local à longo prazo.

Se a teoria não convence, talvez um filme retratando essa realidade perversa o faça. Então sugiro que todos assistam as 6 partes de Cruzando o deserto verde, que retrata a desertificação e degradação do Sul da Bahia.

Resenha do filme:
Vídeo sobre a auto-demarcação de um cemitério quilombola invadido pela transnacional Aracruz na comunidade de Linharinho, próximo à famosa vila forrozeira de Itaunas - Conceição da Barra (ES), Brasil. Os quilombolas, descendentes das comunidades formadas por escravos(as) fugitivos(as), foram os primeiros moradores(as) do interior do Norte do ES, entre São Mateus e Conceição da Barra. Nos anos 60, suas plantações foram sendo substituídas pela monocultura do eucalipto por uma transnacional, fazendo com que eles fossem para as periferias ou vivessem como escravos. Vídeo selecionado para a Mostra Nacional Vitória Cine Vídeo 2006.


Realização: Movimento Alerta Contra o Deserto Verde
Produção: Equipe FASE-ES
Direção: Ricardo Sá








Outros filmes na mesma linha:
Flow, por amor à água
A sombra de um delírio verde
A revolução dos cocos
O mundo segundo a Monsanto


Mais informação sobre reflorestamento de eucalipto:
O mito do reflorestamento de eucalipto
Quantos animais podem viver em uma única árvore
O programa de reflorestamento da Reserva de Ibiraçu, ES

Nenhum comentário: