segunda-feira, 2 de maio de 2011

A casa sustentável é mais barata - parte 06 (captação de águas pluviais)

É o meu tema favorito em construção sustentável.
A gente vive num país onde se lava calçada em dia de chuva com mangueira, se empurra as próprias fezes com água potável e, no verão, somos obrigados a chamar um caminhão pipa obviamente.

Observe que toda laje tem naturalmente uma inclinação para escoamento de água da chuva, as calhas coletoras normalmente despejam essa água coletada o mais próximo possível da rua, gramados e até bueiros.

O problema de coletar água da chuva não é nem tanto pela coleta, mas pelo armazenamento.
Instalar calhas é fácil, difícil é manter uma cisterna de uso viável que não tome toda a área útil do terreno.
Caso tenha um quintal-horta, acople outra mangueira à saída da cisterna e fure a mesma ao longo de todo o comprimento, mantendo uma distância de 2 cm para cada furo. Essa mangueira vai irrigar todo o seu quintal-horta, permitindo a melhor forma de irrigação: por gotejamento, sem perda por evaporação.




Vamos aos métodos:

Waterwall tanks (meu preferido):
Um muro, ou parede divisória, em PVC prémoldado e sem divisórias, onde a água coletada pelas calhas flui por sistemas de vasos comunicantes, mantendo o peso da estrutura distribuído.
Imagino inclusive que possa ser feito a partir de plástico reciclado, basta um bom polímero de alta densidade para aguentar a pressão interna.
Visite o site de um fabricante australiano e descubra como a instalação é simples, rápida e barata.









Os waterwall tanks possuem abertura superior igualzinha a de um cantil plástico, justamente para que a calha coletora seja encaixada. Algumas pessoas deixam as calhas do telhado em nível mais baixo, usando então uma bomba para puxar a água para o waterwall tank, eu acho mais fácil acoplar a calha direto na abertura do tank.
O waterwall tank pode ter função decorativa quando integrado à paisagem e servir de apoio à cercas vivas floridas. Para quem ainda resiste à estética do waterwall tank, deixo como sugestão fazer uma cerca em treliça de pallets e plantar muitas trepadeiras, como hera, açucena e buganvilia para que as plantas tomem a estrutura de madeira. Para saber tudo sobre pallets, veja a postagem A casa sustentável é mais barata - parte 07 (pallets e reels).


As empresas brasileiras que produzem water wall tank, ou a caixa slim:

Water Wall Tank é a minha boa prática ambiental favorita em ecobuilding, felizmente já estamos encontrando o melhor método de captação de águas pluviais aqui no Brasil. Nas principais lojas de material de construção, pode ser encontrado pelo nome tanque slim ou caixa d´água slim.
Quem estiver construindo ou reformando, não pode deixar de estudar a possibilidade. Comparado aos demais métodos de captação da chuva, a caixa slim é disparado o melhor, por ser adaptável à qualquer ambiente, não demandar obra e principalmente, armazenar um volume muito maior de água do que as cisternas tradicionais.

A única diferença que vejo nos tanques brasileiros comparados aos australianos, é que o modelo nacional é vazado nas divisões do sistema de vasos comunicantes. Melhor, mais inteligente, usa menos matéria-prima e distribui melhor o peso, além de facilitar a manutenção em caso de rompimento e até favorecer o crescimento de cercas vivas em hera, buganvílias e outras trepadeiras típicas.

Principais empresas fornecedoras:
Harvesting Brasil
Fortlev
Tindiba Telhas



O que é realmente usado aqui no Brasil:
Cisternas aparentes ou subterrâneas, vou começar pelas subterrâneas:



Por que eu não gosto?
Porque precisa "quebrar" e é mais caro, além do risco de vazamento que pode vir até a comprometer a fundação da casa. Brasileiro gosta de obra, quanto mais tijolo, melhor e eu falo melhor sobre essa obsessão nacional em duas postagens: "Um país em obras" (o nome já diz tudo) e "Reciclagem de edifícios".
Gringo gosta de tudo pré-fabricado e de fácil aplicação. Eu fico com os gringos nesse caso, qualquer mocinha instala um waterwall tank, já a cisterna suterrânea vai precisar de meia dúzia de pedreiros, manta de impermeabilização, bomba, alterar a tubulação da casa pelo menos no primeiro andar e pior, veja o que demanda instalar uma cisterna dessas na sua casa, segundo o site da Seferin Arquitetura, que escreve com propriedade e responsabilidade:

"Então, como dimensionar um sistema de coleta de água da chuva?


1) Deverá ser identificado o índice pluviométrico da cidade em questão.

2) Definir qual será a área de coleta. Geralmente é indicado que se faça nas coberturas, mas, a coleta de água das pavimentações também é utilizada, apesar de ser uma água mais suja.

3) Calcular o volume de chuva coletado, por cada mês do ano.

4) Identificar qual será o volume de água reaproveitada. A água, após tratada, poderá ser utilizada na irrigação ou nas bacias sanitárias. Nunca poderá ser utilizada para fins potáveis.

5) A cisterna será dimensionada a partir do cruzamento de duas condicionantes: volume de água coletada X reuso. Somente será coletado o que for utilizado. Deve ser feito um estudo de mês a mês para identificar o período seco e prever o abastecimento da cisterna para esses meses. Por exemplo, em meses em que a chuva não atende a demanda de reuso necessária é primordial prever um acúmulo de água na cisterna nos meses anteriores para poder abastecer o prédio nesses meses de estiagem.

Vale lembrar que o mais caro do sistema é a cisterna e, portanto, é essencial o correto dimensionamento da mesma.

Existem métodos que podem ser utilizados para fazer o cálculo de dimensionamento das cisternas. Em nosso escritório é usado, para cálculo, as planilhas do método de Rippl.


Da captação até a reutilização

Depois de dimensionado o tamanho da cisterna devemos nos preocupar com o sistema de coleta e desinfecção.

Devemos ter consciência de que telhados são sujos por fezes e animais mortos e de que a chuva, em determinadas regiões, é poluída. Mas, geralmente, um sistema de desinfecção por cloro já seria suficiente. Em alguns casos, como em zonas industriais, poderá ser usado um sistema de desinfecção por ozônio ou UV.


Qual o caminho da água até a reutilização?

1) Após coletada a água pela superfície do telhado, ela deverá passar por um equipamento que fará a eliminação da água dos primeiros 15 minutos de chuva. Essa água é considerada muito suja, pois será a água que lavará o telhado. Então, o ideal é eliminá-la.

2) Após passar pelo sistema de eliminação dos primeiros minutos de água, ela deverá passar por um filtro removedor de partículas. Um ótimo equipamento é o filtro de descida Vortex, da Wisy.

3) Após passar pelo filtro, a água passará por um clorador.

4) Por fim, essa água chegará à cisterna. É importante que haja um freio no fim da tubulação de descida para que não ocorram turbulências no interior da cisterna.

5) Essa cisterna deverá ter um extravasor e um ponto de abastecimento com água potável da rede, controlado por um sistema de bóias. Esse sistema assegurará que a cisterna esteja abastecida mesmo em condições extremas de estiagem.

6) Através de uma bomba submersa essa água se transferirá para um reservatório de reuso. Indica-se que sejam utilizadas bombas de pressão e não de sucção, pois exigem menos manutenção.


Cuidados a serem tomados:

Nunca cruzar a tubulação para água de reuso com tubulações de água potável.

Sempre identificar, com sinais, onde existe água de reuso e assinalar que essa água não é potável."


É de desanimar, principalmente porque não é "necessário", sustentabilidade ainda é vista como supérfluo e os gastos de uma obra costumam ultrapassar muito a previsão inicial - como se diz no meio "Obra não se acaba, se abandona".

Outro método nacional, a cisterna aparente:


Bem intencionado, mas eu prefiro um waterwall tank colorido e integrado à paisagem do que essa caixa d´água imensa (e feia) atravancando a minha passagem. É uma questão de estética, espaço e utilidade: um waterwall ocupa menos espaço, integra-se à paisagem, substitui muros e paredes economizando mais matéria-prima e mão de obra, além de armazenar um volume muito maior de água.
Mais uma vez a questão da "obrinha", repare na foto que a escada de acesso à habitação foi reconstruída para que a caixa d´água ficasse num patamar próprio e a torneira pudesse então ser girada. Ainda alterou a fachada, impedindo a visão e passagem da porta de madeira antiga e bonita. Pior, a julgar pela cortina atrás da porta, essa saída deve ser na área social de convívio.


Edison Urbano, do site sempresustentável e criador do método de reúso de águas cinzas do chuveiro para descarga, desenvolveu um sistema similar ao descrito acima para captação de águas pluviais, entretanto mais simples. Veja no melhor: Sempre Sustentável \ Hídrica \ Água da chuva


CLIQUE PARA AMPLIAR




Para grandes edificações, veja a postagem Por que Tóquio não alaga?
"O subsolo de Tóquio alberga uma fantástica infraestrutura cujo aspecto se assemelha ao cenário de um jogo de computador ou a um templo de uma civilização remota. Cinco poços de 32 m de diâmetro por 65 m de profundidade, interligados por 64 Km de túneis, formam um colossal sistema de drenagem de águas pluviais destinado a impedir a inundação da cidade durante a época das chuvas."

E mesmo contando com a estrutura abaixo, alagou no último tsunami.





Mais informação:
A casa sustentável é mais barata
Comendo a ração que vende - parte 05: lavanderia
A casa sustentável é mais barata - parte 16 (piscinas naturais)
A casa sustentável é mais barata - parte 11 (irrigação por gotejamento)
A casa sustentável é mais barata - parte 21 (espiral de ervas, torres e pirâmides de cultivo)
A casa sustentável é mais barata - parte 20 (reúso de águas cinzas do banho para o sanitário)

3 comentários:

João Ricardo Louven disse...

Legal Carol! Gostei da reportagem.

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

oi João, dá uma olhada na versão nacional: a caixa slim
http://caroldaemon.blogspot.com/2011/07/tanque-ou-caixa-slim-versao-brasileira.html

Anônimo disse...

Parabéns pelo blog e grato pelas informações. Penso em me mudar para um condomínio e estou começando minha pesquisa. Obrigado.