quinta-feira, 10 de março de 2011

Exxon Mobil, sozinha, polui mais do que muitos países

 

A especialista em Mudanças Climáticas e Sequestro de Carbono, da Universidade Positivo (Curitiba), Mônica Pinto, que concedeu entrevista a jornalista Andrea Margon, de Vitória (ES), está preocupada com o impacto da exploração do pré-sal.

Diz ela:
“Para se ter uma ideia do impacto da indústria petrolífera, basta dizer que a Exxon Mobil, a maior companhia do mundo no negócio de petróleo e gás, tem parcela superior na emissão mundial de gases de efeito estufa – com ênfase para o dióxido de carbono – do que a maior parte de países inteiros. Em outros termos, se fosse um país, a companhia seria o sexto maior do planeta em emissões de C02, ultrapassando inclusive nações desenvolvidas como o Canadá e o Reino Unido”.

Já no caso da Petrobras, Mônica Pinto destaca:
“Passando ao caso brasileiro, a Petrobras tem se mostrado razoavelmente atenta à nova ordem. Lançou o Projeto Estratégico Mudança Climática, incorporado a seu Planejamento Estratégico 2020, em que estabelece indicadores, metas e políticas relativos às suas emissões de CO2 e à eficiência energética. Trata-se de um exercício de sensatez porque nenhum país que tenha reservas de petróleo abrirá mão de usá-las. Isso é utópico, ainda mais tendo em vista que o mundo está longe de exterminar a dependência de combustíveis fósseis, que se verifica em maior ou menor grau conforme cada Nação. O que se mostra absolutamente fundamental é investir concretamente nas alternativas viáveis no campo da geração energética renovável, com a urgência que o cenário requer. Sempre digo que se observam hoje avanços no campo da qualidade ambiental, mas não na velocidade desejável, pois a Terra tem pressa”.

Fonte: Portal Marítimo


Aqui no Brasil, Petrobras prepara-se para ultrapassar a Exxon:

De acordo com a Fortune, até o final desta década, a Petrobras deverá desbancar a Exxon Mobil como a maior petrolífera listada em bolsa em termos de receita e produção de petróleo. Para José Sergio Gabrielli, presidente da estatal, ultrapassar a norte-americana não é uma meta, apenas um possível resultado.

“Nós temos muito óleo. Nos próximos quatro ou cinco anos estaremos falando de uma companhia que terá entre 30 bilhões e 35 bilhões de barris em reserva. Ninguém no mundo – nenhuma empresa com ações listadas – possui nada parecido”, declarou Gabrielli à revista.



Mais informação:
Vazamento de óleo no Golfo do México
A maior turbina movida a energia de marés do mundo será testada na Escócia
O mito da autossuficiência em petróleo: no país do pré-sal, a gasolina mais cara do mundo
A crise climática do século 21 foi causada por apenas 90 empresas (incluindo a Petrobrás)?
A viabilidade da energia eólica no Brasil e o Atlas do Greenpeace para a revolução energética
A Transocean, empresa proprietária da plataforma petrolífera que explodiu e originou uma maré negra no Golfo do México no ano passado, decidiu recompensar os seus dirigentes com aumentos salariais e prêmios, depois de considerar 2010 o seu “melhor ano” em questões de segurança.

Nenhum comentário: