domingo, 27 de junho de 2010

As vitrines sustentáveis do Rio Sul e quais os truques do shopping para você comprar mais





“Nada poderia ser maior que a sedução, nem mesmo a ordem que a destrói.”, Jean Baudrillard














Aqui no RJ, há um shopping muito antigo, o Rio Sul , com as principais lojas da cidade.

Passeando por lá, vi algumas vitrines que chamaram a minha atenção, fotografei e reproduzo o que vi.

Loja da Obra da Providência, organizadora da Feira da Providência e emprega centenas de mulheres de comunidades carentes, vendendo artigos femininos criados por designers e elaborados por essas mulheres com tecidos, retalhos, contas, palha... até a sacolinha de papelão foi nota mil.



Selo ECOCERT na vitrine da L´Occitane, certificando os produtos de beleza orgânicos e biodegradáveis.



Loja de biquinis Blue Man, o chão acarpetado com retalhos de lycra dos biquinis e o restante da vitrine decorado com rolos de papelão, reaproveitados dos rolos de tecido, customizados com tinta e dispostos em estante de ferro industrial usada.






Mais uma vitrine que vale visitar: Aqualung e o projeto Tatuí de limpeza de praias




Quais os truques do shopping para você comprar mais?

Arquitetura, decoração e administração dos shopping centers conspiram para que você consuma mais. Veja como essas estratégias são aplicadas


PORTA POPULAR
Na maioria dos shoppings, quem chega sem carro é quem tem menos grana. Pensando nisso, o comércio popular fica perto da porta. Além disso, o público de menor poder aquisitivo fica mais à vontade ao ver marcas conhecidas logo de cara.


EXPOR EXEMPLO
Todo centro de compras tem um espacinho para pequenas exposições - processos industriais, esculturas de material reciclado, roupas da Barbie, por aí vai. Pode inspirar bocejos, mas quem é do ramo jura que isso atrai visitantes.


180 DEGRAUS
Ainda há shopping em que a escassez de escadas rolantes obriga a caminhar e "conhecer lojas". Felizmente, hoje a regra é atrolhar o prédio de escadas, até de meio andar, para que você chegue aonde quiser sem se cansar.


DANÇA DAS VITRINES
Lojas substituídas, reformadas, mudando de ponto - a administração prevê e estimula essas alterações. Isso dá aos visitantes desculpa para voltar: conhecer os novos espaços.


EM CASA
Espaços com poltronas e plantas existem para criar "situações residenciais". A ideia é que um marido sinta-se na sua sala de estar e deixe a esposa livre para consumir.


AOS ESTACIONADOS
Calculando que o público que chega de carro é o que tem mais dinheiro, as lojas mais luxuosas costumam ficar próximas do acesso aos estacionamentos.


LUZ E SOMBRA
Repare: os corredores dos shoppings são muito mal iluminados. Mas isso não é um acidente, a pouca iluminação das passagens faz as luzes das vitrines se destacar, atraindo seus olhos.


CHEIRO, SOM E FÚRIA
No exterior dá certo, mas aromatização e sonorização do ambiente foram banidos dos shoppings brasileiros - se tem, irrita, se não tem, ninguém liga. Perfume e trilha sonora ficam restritos a algumas lojas.


A PRAÇA É FOSSA
Sim, praças de alimentação são legais pela variedade de opções. Mas esse não é o único motivo para sua existência: o shopping concentra canalização de água e esgoto em apenas um local e barateia custos.


MUNDO LÁ FORA
Shoppings eram como cassinos, sem janelas que lembrassem a passagem do tempo. Para amenizar a sensação de que você perdeu o dia lá dentro, os prédios mais modernos incluíram painéis de vidro ou mesmo aberturas para o sol (e o luar) entrar.






Compra boa: Tem quem queira, bolsas confeccionadas a partir de banners que iriam para o lixo a partir de mão de obra dos presídios.




Mais informação:
Compras a granel
Criança, a alma do negócio
Quantos escravos trabalham para você?
E se cada família chinesa comprar um carro?
Meia tabela periódica em cada aparelho celular
A praga da reciclagem artesanal: não é sustentável e é horrível
Como funciona uma corporação e o que você consome, implica nisso

Nenhum comentário: